terça-feira, 22 de março de 2011

FUMAÇA PROVOCA NOVO ALERTA NA CENTRAL NUCLEAR DE FUKUSHIMA



Autoridades proíbem a venda de leite e de dois tipos de hortaliças cultivadas em quatro cidades próximas à usina

Uma coluna de fumaça branca que foi vista nesta segunda-feira saindo do reator 2 da central nuclear de Fukushima (nordeste do Japão), depois de um incidente semelhante no reator 3, obrigou à retirada de uma parte dos funcionários que trabalhava no local para evitar uma catástrofe maior.
Estes são os primeiros incidentes preocupantes desde a última quarta-feira na central de Fukushima Daiichi (N°1), gravemente danificada pelo terremoto seguido de tsunami do dia 11 de março. "Às 15h55 (03h55 de Brasília), recebemos um relatório da central que indicava a saída de fumaça cinza do teto do reator número 3", declarou a Tokyo Electric Power (Tepco), que opera a usina. "Ordenamos a evacuação dos funcionários que estavam nas imediações", acrescentou.
Poucas horas depois, a Tepco comunicou que a fumaça havia parado de sair do reator 3, mas indicava que o número 2 começou a emitir uma fumaça branca. O reator 3 é o que mais preocupa as autoridades, pois contém combustível MOX, uma mistura de óxidos de plutônio e de urânio obtidos a partir de produtos reciclados, cujas partículas são consideradas mais nocivas que as de combustível à base de urânio.
Na semana passada, a parte superior de sua estrutura foi completamente destruída por uma forte explosão, provocada pelo acúmulo de hidrogênio. O primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, disse nesta segunda-feira que a situação em Fukushima (nordeste) estava melhorando pouco a pouco.
"Os esforços empregados para solucionar a crise na usina nuclear permitem que a situação melhore de forma lenta, mas regular", destacou. Os seis reatores foram conectados a uma fonte elétrica, mas o material deve ser testado antes pelos técnicos para evitar um curto-circuito. Segundo a televisão pública NHK, estas verificações podem durar ainda dois ou três dias.
O sistema de resfriamento do reator 5, que estava desligado para uma revisão quando o terremoto aconteceu - e onde não houve explosão - funcionava normalmente nesta segunda. Um dirigente da Agência de Segurança Nuclear anunciou que a sala de controle do reator 2 pode ser reativada a partir desta segunda-feira.
A população, entretanto, continua em alerta, principalmente os 35 milhões de habitantes da região de Tóquio, que temem a chegada de substâncias radioativas à capital por meio dos ventos que sopram sobre a central.
As autoridades proibiram a venda de leite e de dos tipos de hortaliças cultivadas em quatro cidades próximas à central nuclear de Fukushima, devido a um nível de radioatividade anormalmente elevada, embora "não seja perigoso para a saúde humana", anunciou o porta-voz do governo.
O governo faz de tudo para tranquilizar a população, e reiterou que o nível de radioatividade presente na chuva, na água das torneiras e em alguns alimentos produzidos nas regiões próximas à central não representam ameaça para a saúde.

Fonte: Isto É

Um comentário:

Anônimo disse...

gostei muito do site, seria melhor se fosse colocado quais são os sitmas da fumaça que vasou dos reatores da usinas.obrigado.Até mais.

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.