sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Livros de Karatê

Karate


Título: KARATE-DO - O meu modo de vida
Autor: Funakoshi, Gichin
Editora: Cultrix

ISBN: 853160463X
Idioma: Português



Título: KARATE-DO NYUMON
Autor: Funakoshi, Gichin
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605776
Idioma: Português




Título: KARATÊ DINÂMICO
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531608171
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 1 - Visão Abrangente / Práticas
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605288
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 2 - Fundamentos
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605296
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 3 - Kumite 1
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605687
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 4 - Kumite 2
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605709
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 5 - Heian, Tekki
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 853160530X
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 6 - Bassai, Kanku
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605741
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 7 - Jitte, Hangetsu, Empi
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605792
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 8 - Gankaku, Jion
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531605873
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 9 - Bassai Sho, Kanku Sho, Chinte
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531606063
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 10 - Unsu, Sochin, Nijushiho
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531606934
Idioma: Português



Título: O MELHOR DO KARATE 11 - Gojushiho Dai, Gojushiho Sho, Meikyo
Autor: Nakayama, Masatoshi
Editora: Cultrix

ISBN: 8531607655
Idioma: Português

KARATE NI SENTE NASHI

KARATE NI SENTE NASHI – 空手に先手無し- (no Karate não existe primeiro ataque)

SEN NO SEN (先の先) –

GO-NO-SEN, onde o propósito é o contra-ataque. Tática de deixar o oponente atacar primeiro para contra-atacar.

Sen-no-sen - Antecipação, iniciativa tomada durante um combate antecipando-se a este.
Go-no-sen - Percepção de um ataque em estado de espera.

SEN NO SEN Atacando no momento exato, não deixando o oponente fazer nada.

SEN SEN NO SEN Atacando antes dos ataques do oponente. Antecipando-os.

TAI-NO-SEM Quando o inimigo atacar, permaneça imperturbável, mas finja fraqueza.

IPPON KUMITE Luta de um passo.

JIYU IPPON KUMITE Luta de um ataque, usando qualque técnica e anunciando qual vai ser.

JIYU KUMITE luta livre.

SHIAI Uma luta de uma competição.

TAI SABAKI esquiva

Kihon é a prática de técnicas fundamentais: bases, defesas, socos, chutes.
Kata são exercícios formais, executados de maneira encadeada e pré-determinada, representativos de um estilo de Karate.
No Shotokan atualmente são praticados 26 Katas.
Começa com 5 kata básicos, os HEIAN, que têm como objetivo fazer com que o praticante adquira habilidade sobre as principais técnicas básicas. Deve-se treinar HEIAN até que essas técnicas sejam assimiladas e passem a ser executadas de forma natural.
Depois vem a série TEKKI, com três kata. Os kata TEKKI se caracterizam pela base KIBA-DACHI (base do cavaleiro), e todos os deslocamentos são para as laterais, ou seja, somente para a direita e para a esquerda. Como os golpes nesses kata não contam com grandes deslocamentos (os golpes são curtos), os TEKKI têm como objetivo o desenvolvimento do KIME, através do treinamento, principalmente, da contração da região sub-abdominal (TANDEN).
Essas duas séries juntas, HEIAN e TEKKI, formam os kata básicos do Shotokan, e devem ser dominados por quem pretende obter a graduação SHODAN (faixa-preta 1º grau).
Os outros 18 katas são considerados avançados e, entre eles, existem vários "tipos" de katas. Cada kata possui um objetivo, e dá ênfase a um determinado tipo de treinamento. Existem katas, por exemplo, que têm como objetivo o desenvolvimento de agilidade (como o ENPI), desenvolvimento de contração/expansão muscular (como o HANGETSU), desenvolvimento de uma base firme (como o SOCHIN), etc... Nossa tarefa é estudar os movimentos dos katas e treinar aquele que for mais necessário, para desenvolver o que estiver mais precário em nossa técnica. Para isso é preciso já ter algum conhecimento e domínio técnico, e por isso só são recomendados para praticantes graduados.
Com isso, pode-se concluir que os katas não são apenas uma "luta simulada", sem nenhum sentido, como muitos costumam definir. Os katas possuem objetivos e aplicações, e eles reúnem todo conhecimento e beleza do Karate-Do.

Kumite é o combate propriamente dito. No kumite pode-se aplicar, com a ajuda de um colega, as técnicas praticadas anteriormente com o treino de kihon e kata. O kumite pode ser praticado em vários níveis de dificuldade. São eles:
• Ippon kumite
• Sanbon kumite
• Gohon kumite
• Ju ippon kumite
• Ju kumite
• Shiai kumite
Terminologia
Veja a seguir alguns dos termos mais utilizados no Karate-Do Tradicional que você poderá encontrar logo abaixo, sendo estes aqui uma espécie de índice, logo colocarei links para ir direto ao assunto:

Bases

Defesas

Técnicas de braço

Técnicas de perna

Arbitragem

Números

Outros termos
Bases:
Terminologia Significado
TACHI base
HEISOKU DACHI base com os pés unidos e apontando para frente
MUSUBI DACHI base com os pés unidos e apontando para fora
HEIKO DACHI base natural com os pés afastados e apontando para frente
HACHINOJI DACHI base natural com os pés afastados e apontando para fora
UCHI HACHINOJI DACHI base natural com os pés afastados e apontando para dentro
TEIJI DACHI base em "T"
RENOJI DACHI base em "L"
ZENKUTSU DACHI base com peso à frente
KOKUTSU DACHI base com peso atrás
KIBA DACHI base do cavaleiro
SANCHIN DACHI base pequena meia-lua
HANGETSU DACHI base meia-lua
SHIKO DACHI base de SUMO
FUDO DACHI base imóvel (SOCHIN DACHI)
NEKO ASHI DACHI base do gato
TSURU ASHI DACHI base do grou
KOSA DACHI base com as pernas cruzadas
Defesas:
Terminologia Significado
UKE WAZA técnica de defesa
GEDAN BARAI defesa baixa (varrendo)
AGE UKE defesa alta (ascendente)
SOTO UDE UKE defesa com a parte externa do antebraço
UCHI UDE UKE defesa com a parte interna do antebraço
SHUTO UKE defesa com a mão em espada
KAKUTO UKE defesa com o dorso do pulso dobrado
KEITO UKE defesa com a mão em crista de galo
SEIRYUTO UKE defesa com a base da mão em espada
TATE SHUTO UKE defesa vertical com a mão em espada
TEISHO UKE defesa com a base da palma da mão
MOROTE UKE defesa com os dois braços, um apoiando o outro
HAISHU UKE defesa com o dorso da mão
HAITO UKE defesa com o dorso da mão em espada
OSAE UKE defesa pressionando
SUKUI UKE defesa em concha
JUJI UKE defesa em cruz
KAKIWAKE UKE defesa abrindo caminho com as duas mãos
NAGASHI UKE defesa esquivando-se

Técnicas de braço:
Terminologia Significado
TSUKI WAZA técnica de soco
CHOKU ZUKI soco direto
GYAKU ZUKI soco contrário
KIZAMI ZUKI soco curto
OI ZUKI soco avançando
AGE ZUKI soco ascendente
KAGI ZUKI soco gancho
TATE ZUKI soco vertical
NUKITE mão em ponta de lança
UCHI WAZA técnica de ataque
URAKEN UCHI golpe com o dorso do punho
SHUTO UCHI golpe com a mão em espada
TETTSUI UCHI golpe com punho martelo
TEISHO UCHI golpe com a base da palma da mão
ENPI UCHI golpe com o cotovelo (HIJI ATE)
Técnicas de perna:
Terminologia Significado
ASHI WAZA técnica de perna
ASHI BARAI rasteira
NAMI GAESHI "onda que retorna" - usado como defesa ou ataque
SURI ASHI deslocamento curto; caminhando pouco a pouco
YORI ASHI deslocamento longo
KERI WAZA técnica de chute
MAE GERI chute frontal
MAWASHI GERI chute circular
YOKO GERI KEKOMI chute lateral em penetração
YOKO GERI KEAGE chute lateral ascendente
USHIRO GERI chute para trás
TOBI GERI chute saltando
NIDAN GERI chute duplo
MIKAZUKI GERI chute crescente
FUMI KOMI GERI chute em estocada para baixo - pisão
HIZA GERI joelhada

Arbitragem:
Terminologia Significado
AKA vermelho
SHIRO branco
SHOMEN NI REI cumprimento para frente
SHINPAN NI REI cumprimento para os árbitros
OTAGAI NI REI cumprimento mútuo entre os lutadores
SAGATE SUWATE recuar e sentar
NAKAE ordem para entrar na área de luta
SHOBU IPPON HAJIME iniciar a luta - disputa por um ponto
TSUZUKETE HAJIME reiniciar a luta
YAME parar a luta
AKA JOGAI IKKAI vermelho saiu da área de luta uma vez
SHIRO JOGAI IKKAI branco saiu da área de luta uma vez
AKA JOGAI NIKAI SHIRO WAZA ARI vermelho saiu da área de luta duas vezes - WAZA ARI para o branco
SHIRO JOGAI NIKAI AKA WAZA ARI branco saiu da área de luta duas vezes - WAZA ARI para o vermelho
YOWAI golpe fraco
TORIMASEN não marcou ponto
AIUCHI lutadores deram golpes simultâneos
MIENAI árbitro não viu
ATOSHIBARAKU 30 segundos para terminar a luta
SOREMADE final da luta
JIKAN tempo
FUKUSHIN reunião de determinados árbitros auxiliares
FUKUSHIN SHUGO reunião de todos os árbitros auxiliares
HANTEI decisão dos árbitros - julgamento
KETEISEN luta decisiva
KEIKOKU infraãão leve
CHUI infraãão moderada
HANSOKU infraãão grave
TAIDO conduta anti-esportiva
SHIKKAKU desclassificado
MUNO SHIKKAKU desclassificado - não sabe karate
WAZA ARI meio ponto - golpe quase perfeito
IPPON um ponto - golpe perfeito
AWASETE IPPON dois WAZA ARI reconhecidos como um IPPON
AKA NO KACHI vitória do vermelho
SHIRO NO KACHI vitória do branco
AKA KIKEN SHIRO NO KACHI desistência do vermelho - vitória do branco
SHIRO KIKEN AKA NO KACHI desistência do branco - vitória do vermelho

Números:
Terminologia Significado
ICHI um
NI dois
SAN três
SHI (YON) quatro
GO cinco
ROKU seis
SHICHI (NANA) sete
HACHI oito
KYU nove
JU dez
NIJU vinte
SANJU trinta
YONJU quarenta
GOJU cinquenta
ROKUJU sessenta
NANAJU setenta
HACHIJU oitenta
KYUJU noventa
HYAKU cem
SEN mil
MAN dez mil

Outros termos:
Terminologia Significado
BUNKAI estudo das técnicas e aplicações de KATA
CHUDAN nível intermediário (alvo)
DO um caminho rumo à iluminação espiritual; uma arte Zen
ENBUSEN linha de atuação
GEDAN nível inferior (alvo)
HIKITE puxada de mão
JODAN nível superior (alvo)
KAMAE posição de alerta - guarda
KATA exercícios formais executados de maneira encadeada e pré determinada, representativos de um estilo
KIAI grito liberado com o propósito de focalizar toda energia em um único momento - manifestação de KI
KIHON fundamentos, técnicas básicas
KIME foco de potência; arremate; finalização; união de energia física e mental no momento do contato
KUMITE luta; combate
MAKIWARA alvo de treinamento feito de palha prensada e enrolada
MOKUSO meditação
MUSHIN estado de integração entre a mente e o corpo no qual a mente acha-se livre de ilusões (pensamentos desnecessários)
REI cumprimentar!
SEIZA maneira correta de sentar
SENSEI professor; mestre
SHIZENTAI posição natural - corpo permanece relaxado mas alerta
TAI SABAKI esquiva
YOI preparar!
YUDANSHA praticante graduado; faixa preta (qualquer grau)
ZANSHIN estado de reserva mental/espiritual
ZAREI cumprimento sentado
ICHI -1 NI - 2 SAN - 3 SHI - 4 GO - 5 ROKU - 6 SHICHI - 7 HACHI - 8 KU - 9 JU - 10

HITOTSU JINKAKU KANSEI NI TSUTOMURU KOTO - Esforçar-se para formação do caráter saudável

HITOTSU MAKOTO NO MICHI O MAMORU KOTO - Fidelidade para com o verdadeiro caminho da razão

HITOTSU DORYOKU NO SEISHIN O YASHINAU KOTO - Criar o intuito de esforço

HITOTSU REIGI O OMONZURU KOTO - Respeito acima de tudo

HITOTSU KEKKI NO YU O IMASHIMURU KOTO - Conter o espírito da agressão indestrutiva
Vocabulário
Preposições:
NI - para
NO - de; do; da
O - indica objeto direto

DOJO - local onde se pratica uma arte marcial; academia
KUN - mandamento; obrigação
HITOTSU - um; uma unidade
JINKAKU - caráter; personalidade
KANSEI - formação; conclusão; término; acabamento
TSUTOMURU - esforçar-se; empenhar-se; tentar arduamente
MAKOTO - verdade; sinceridade; honestidade
MICHI - caminho
MAMORU - obedecer; respeitar; guardar; cumprir; defender
DORYOKU - esforço; empenho
SEISHIN - espírito; alma; vontade; intenção; mentalidade
YASHINAU - alimentar; sustentar; manter; criar
REIGI - etiqueta; cortesia; civilidade; boa educação; respeito
OMONZURU - respeitar; ter muita consideração em; apreciar; estimar; venerar; honrar
KEKKI - impetuosidade; arrebatamento; violência
YU - vigor; coragem
IMASHIMURU - repreender; proibir; reprimir; conter
KOTO - sufixo que transforma a expressão numa ordem

Termo Significado A: AGE UKE Bloqueio ascendente. AGE ZUKI Socar para cima. AI Harmonia, chegar juntos, unificação, integração,amor AITE Parceiro AIDA Intervalo ,Distancia. AINIKU Infelizmente. AIRASHI Amável. AI HANMI Parceiros frente à frente, ambos com o mesmo pé adiantado. AIKI Combinação de duas (ou mais) energias, harmonização, integração. AI-UCHI Ataque simultâneo AKARI Claridade. AKIRAMERU Desistir AKIRAKANA Óbvio,Evidente. AKI Outono. AKARUI Claro AKA Vermelho AKA (SHIRO) IPPON Ponto para Aka(vermelho). AKA (SHIRO) NO KACHI Vitória para AKA AMAI Doce. ARIGATO GOZAIMASHITA "Muito obrigado" ASHI Perna ou pé. ASHI BARAI Varrer com o pé. ASHI WAZA Técnicas de pernas. ATEMI Golpe, uma pancada direcionada à um ponto anatômico frágil; usado defensivamente no Aikido. ATEMI WAZA Técnicas de golpear. ATENAI YONI Não bater ATOSHI BARAKU Limite de 30 segundos para término da uma luta. AWASE Combinar; atrair a ação do parceiro iniciando a execução da técnica. AWASE UKE Defesa com as mãos unidas. AWASE ZUKI Mesma coisa que MOROTE ZUKI. AYUMI DACHI Base natural com o peso no centro de gravidade, ITOSU-KAI SHITO-RYU. B: BO Bastão longo com aproximadamente 6 pes. BOKKEN Espada de madeira. BUDO Disciplinas marciais do Japão moderno. BUDOKA Praticante de arte marcial. BUJUTSU Artes marciais japonesas clássicas. BUNKAI Estudo das técnicas e aplicações do KATA BUSHIDO Código dos guerreiros do período clássico no Japão. BUSHIN "Espírito marcial," o nível mais alto de maestria nas artes marciais. C: CHOKU ZUKI Soco direto. CHUDAN Nivel Médio CHUDAN ZUKI Soco a altura média. D: DAN Graduação; no Karatê a graduação dos faixas pretas vai de shodan (1o grau) à judan (10o grau). DANKYU Sistema de graduação de Karatê moderno. Data de 1887 para frente. Baseado no modelo militar de atribuição de Graus. DESHI Discípulo. DO Um determinado caminho de refinamento físico e espiritual; um modo de vida. DO-GI Uniforme de treinamento usado por praticantes de artes marciais. DOJO Academia. Literalmente “lugar de iluminação” DOMO ARIGATO GOZAIMASHITA Forma Japonesa de “Muito obrigado”, ao término de uma aula é formal agradecer ao instrutor e esse aos alunos. DORI [também pronunciado tori] Pegar, segurar. DOSA Movimentos básicos; mais comumente kihon-dosa . E: EMPI Cotovelo EMPI UCHI Pancada com o cotovelo ENBUSEN Linha de atuação ENCHO-SEN Prorrogação de uma luta, a qual reicia quando o Referee comanda "SHOBU HAJIME." EN-NO-IRIMI Entrada circular; entrar atrás de um ataque e controlá-lo num movimento circular. F: FUDO DACHI Posição imutavel, firme.Semelhante SOCHIN DACHI. FUDO-NO-SHISEI Postura "Imutável" ( firme e equilibrada). FUDO-SHIN "Espírito Imutável"; atitude mental inexpugnável. FUKUSHIN SHUGO "Reunião dos Judges" FUMIKOMI Chute em forma de pisão, normalmente ao joelho ao pé. G: GANKAKU DACHI O mesmo que TSURU ASHI DACHI e SAGI ASHI DACHI. GASSHUKU Período intenso de treino durando vários dias. Em português poderia ser traduzido por "retiro". GEDAN Nível inferior GEDAN BARAI De cima para baixo GEDAN UDE UKE Bloquear com antebraço para baixo. GEDAN ZUKI Socar para baixo.. GI Uniforme usado na prática de artes marciais japonesas, vulgarmente denominado Kimono GODAN Faixa preta 5o Dan. GOHON KUMITE Forma de kumitê para iniciantes. Deslocamento de 5 passos, usando técnicas de ataque e defesa basica. GO NO SEN Técnica de permanecer na defenciva, para contra atacar.. GYAKU-HANMI Posição reversa na qual os parceiros tem o pé oposto à frente. GYAKU ZUKI Soco invertido. H: HACHIDAN Faixa preta 8o Dan. HACHIJI DACHI Posição natural com os pés na largura dos ombros, pontas ligeiramente voltados para fora.. HAI "Sim". HAISHU UCHI Pancada usando as costas da mão. HAISHU UKE Defesa usando as costas da mão.. HAITO UCHI Pancada usando a faca interna da mão. HAJIME "Comando para iciciar , Kata, ou Kumite. HAKAMA "Saia-calça" samurai usada por praticantes de Aikido e Kendo. HANGETSU Meia lua HANGETSU DACHI base em forma de meia lua. HANMI Posição triangular. HANSHI “Mestre”, Um título dado aos faixas pretas de mais alta graduação de uma organização e significa que este tem a compreensão total daquela arte. HANSOKU Penalidade por uma Infração grave, a qual eleva a pontuação do oponente a SANBON. HANSOKU CHUI "Penalidade por uma infração média, na qual se dá IPPON para o oponente. HANTAI Reverso, oposto. HANTEI "julgamento feito pelos Refer, para uma cituação de luta indefinida. HARA Região da barriga, três dedos abaixo e acima do umbigo, sede do KI, energia interior HARAI WAZA Técnicas de raspagem. HENKA-WAZA Técnicas explorando variações possíveis. HEIKO DACHI Posição natural na qual os pés ficam a largura dos ombros, com as pontas voltadas para frente. HEIKO ZUKI “Soco emparelhado”(Soco duplo simultâneo). HEISOKU DACHI Posição natural, pés juntos voltados para frente. HIDARI Esquerda. HIJI Cotovelo, tambem chamado de EMPI. HIJI ATEMI Golpe com o cotovelo. HIJI UKE Bloqueio ou defesa com o cotovelo. HIJI-ATE Cotovelada tambem chamado de EMPI-UCHI HIKITE Puxada de mão HIKIWAKE “Empate no kumite”. Juiz mostra as mãos palmas para cima, na lateral. HITOSASHI IPPON KEN Junta do dedo indicados, o mesmo que IPPON KEN. HIZA GERI Joelhada HIZA UKE Bloqueio usando o joelho. HOMBU DOJO Termo que se refere a Dojo central. I: IAI-DO A arte de desembainhar e cortar com a espada. IKI Respiração; o ato físico de respirar. INASU Evasão de um ataque somente desviando o corpo da linha de ataque. IPPON KEN Golpe com a junta da segunda falange do dedo anular IPPON KUMITE Luta de um passo. IPPON NUKITE Golpe de punhalada usando apenas um dedo estendido. IPPON SHOBU Luta de um ponto, usado em torneios. IRIMI Penetrar, entrar. Situação de luta muito práxima em que se desvia a defesa ou ataque do oponente para entrar. J: JIKAN "tempo". JIN-NO-KOKYU A respiração do ser humano; o terceiro estágio da meditação com respiração. JIYU IPPON KUMITE Luta de um ataque, usando qualque técnica e anunciando qual vai ser. JIYU KUMITE luta livre. JIYU-WAZA Técnicas livres. JO Bastão de madeira de 120 cm ( 4 pés). JODAN Nível superior .. JO-DORI Técnicas para desarmar um oponente armado com bastão. JOGAI “Sair da área de luta”. JOGAI HANSOKU CHUI Terceira saida da área de luta. Da IPON ao oponente JOGAI HANSOKU Quarta saida da área de luta. Da sambom e concequentemente a vitória ao oponente JOGAI KEIKOKU Segunda saida da área de luta. Da WASA-ARI ao oponente. JO-TAI-KEN Treinamento de bastão contra espada. JU O principio da flexibilidade; o aspecto salgueiro das técnicas e da filosofia do Aikido. JUDAN Faixa preta de décimo Dan (o maior grau concedido). JUDO Sistema de arte marcial moderno criado por Jigoro Kano (1860-1938). JUJI UKE Bloqueio em X. JUJUTSU Sistemas japoneses de combate desarmado. JUN ZUKI O termo usado na WADO RYU para OI-ZUKI. JUTSU Técnica. Denominava as artes marciais de combate (Jujutsu, Kenjutsu, Karate-jutsu) K: KACHI Victorioso. (por exemplo, AKA KACHI) em torneios. KAGI ZUKI Soco em gancho,(Jion). KAISHU Mão aberta, se refere aos movimentos com a mão aberta ou que o punho não esteja completamente fechado. KAKEJIKU Um pergaminho pendente. KAKE-TE Bloqueio ou defesa em gancho. (BASSAI-DAÍ) KAKIWAKE Bloqueio duplo frontal , com a parte externa do pulsso, para um ataque como agarramento. KAKUSHI WAZA "Técnicas secretas." KAKUTO UCHI Golpe com a partes externa do pulso, também conhecido como "KO UCHI." KAKUTO UKE Defesa com a partes externa do pulso, também conhecido como KO UKE. KAMAE Atitude; postura "combativa". KAMAE-TE Comando dado pelo instrutor para o aluno entrar em posição. KAMI Deus, divindade, espírito divino, inspiração sagrada, anjo guardião, ser humano iluminado. KAMIZA A parte do dojo onde pergaminhos, fotografias do fundador, e outras coisas, são mostradas. KANSHA Gratidão profunda e sincera. KAPPO Tecnicas de ressuicitar pessoas que sucumbiram a um choque ao sistema nervoso. KARATE Sistema de arte marcial moderno originado em Okinawa, introduzido ao mundo por Gichin Funakoshi (1868-1957). KARATE-DO Caminho das mãos vazias. Filosofia de vida do Karate. Isto não só implica o aspécto físico de Karate, mas também os aspectos mentais e sociais de Karate. KARATEKA O praticante de Karate. KATA "Forma Padrão," tipos de prática pré-determinados usados como veículo de aprendizado. KATA-DORI Ser segurado na região do ombro. KATATE-DORI Ser segurado por uma mão. KATATE-RYOTE- DORI Ter o braço segurado por duas mãos. KEAGE Chutar para cima KEIKO Treinando. O único segredo para o sucesso em Karate. KEIKOKU Advertencia com penalidade de WAZA-ARI para o oponente. KEKOMI Pontapé em forma de punhalada. KEMPO Termo usado para descrever sistemas de lutas que usam o punho. Nesta consideração, KARATE também é KEMPO KEN Espada. KENDO Esgrima moderna japonesa, praticada principalmente como um esporte competitivo. KENSEI Técnicas com KIAI silencioso. Relacionado a meditação. KENTSUI o mesmo que TETTSUI. KENTSUI UCHI golpe de maretelada TETTSUI UCHI KERI pontapé. KI [Chi em chinês] Energia vital, força da vida; também o aspecto do ki relativo as técnicas e a filosofia do Aikido. KIAI Grito penetrante; aplicação da técnica com emprego total da força espiritual. grito libertado com o propósito de focalizar toda a energia em um único momento, manifestação de KIME KIBA DACHI Base mais estavel, motado no cavalo. Também conhecido NAIFANCHI ou NAIHANCHI DACHI. KIHON Técnicas básicas. KIKAI TANDEN O centro físico e espiritual do ser humano, localizado a, mais ou menos, cinco centímetros abaixo do umbigo. KIKEN "Renunica." O arbritro aponta um dedo para o concorrente KIME foco de potência; arremate; finalização KI-NO-NAGARE Técnicas fluídas. KIMUSUBI O elo do ki, a mistura de energias. KI-O-TSUKE "Atenção",cuidado. KITAERU Forjar. KIRIOKU Ânimo KISEKI Milagre KITANAI Sujo. KITTO Sem falta. KIZETSU Desmaio. KIZAMI ZUKI Soco com a mão que está a frente alongando. KO BO ICHI O conceito de “conexão" de Ataque-defesa. KODOKU Solidão KOE Voz. KOISHII Saudades. KOKUMIM Povo. KO UCHI Golpe com a parte externa do pulso, também conhecido como KAKUTO UCHI. KO UKE Defesa com a parte externa do pulso, também conhecido como KAKUTO UKE KOHAI Alguém com menos experiência; ao contrário de Sempai. KOKEN Articulação do pulso. KOKORO “Espírito, Coração”. Na cultura japonesa, o espírito mora no coração KOKUTSU DACHI Posição ou base em que 70% do peso permanece atras. KOKYU O sopro da vida, sopro vital do cosmos; tecnicamente, "boa harmonia." KOKYU-HO Exercícios especiais para desenvolver o poder da respiração. KOKYU-ROKU Poder da respiração com algo distinto do poder físico puro. KOKYU-UNDO Exercícios de movimentos respiratórios, realizados sentados ou em pé. KOSA DACHI Posição em que as pernas estão cruzadas. KOSHIN Traseiro. KUATSU O método de ressuscitar uma pessoa por perdeu os sentidos devido a estrangulamento ou choque. KULEN "Ensinamentos secretos," transmitidos oralmente; implica numa transmissão direta, pessoa-a-pessoa, coração-a-coração. KUMADE Mão de urso.. KUMANO Distrito antigo na prefeitura de Wakayama, considerado o centro da espiritualidade japonesa. KUMI-JO Treino de bastão com parceiro. KYU graduação de faixas inferior a preta, de 10º ao 1º KYUDAN Faixa preta de nono grau. KYUSHO WAZA Técnicas de pontos de pressão. M: MA-AI Intervalo correto entre os parceiros; distanciamento perfeito. MAKIWARA alvo de treinamento feito de palha MANDALA Diagrama sagrado; mapa cósmico. MASAKATSU AGATSU "Verdadeira vitória é auto-vitória," MEN-UCHI Golpe em direção a cabeça ou face. MIGI Direito(a). MISOGI Purificação do corpo e da mente. MOKUSO meditação MUNADORI Ser segurado na região do peito. MUSHIN Estado de integração entre a mente e o corpo no qual a mente acha-se livre de ilusões MAAI GA TOH distancia não formal (incorreta) MAE Frente. MAE ASHI GERI Chutando com a perna dianteira MAE EMPI golpe de cotovelo para frente. MAE GERI KEAGE Pontapé repentino dianteiro. Também MAE KEAGE. MAE GERI KEKOMI Pontapé dianteiro profundo. Também MAE KEKOMI. MAE UKEMI técnica para frente. MAKOTO Um sentimento de sinceridade absoluta e franquesa total que requer uma mente totalmente livre de pensamentos. MANABU Método de aprender imitando e seguindo o instrutor MANJI UKE Bloqueio ou defasa dupla, onde um braço executa GEDAN BARAI para um lado, enquanto o outro executa JODAN UCHI UKE (ou JODAN SOTO YOKO TE). MATTE "Espera". MAWASHI EMPI UCHI Cotovelada circula também conhecido como MAWASHI HIJI ATE. MAWASHI GERI Chute circular. MAWASHI HIJI ATE Cotovelada circula também conhecido como MAWASHI EMPI UCHI. MAWASHI ZUKI Soco circular. MAWAT-TE Comando do instrutor para os alunos se virar. MENKYU Sistema de atribuição de Títulos(relacionado a uma arte marcial real)Kakuto Bu-jutsu. Data de 1600 para trás. Não é um sistema de atribuição de "Graus", pelo modelo militar. MIENAI "Eu não pude ver." Indicação dos juizes auciliares sobre determinada técnica. MIGI Direita. MIKAZUKI GERI Pontapé crescente. MOKUSO Meditação MOROTE UKE Bloqueio aumentando. Um braço apoia o outro com o punho. MOROTE ZUKI Perfurando simultaneamente com ambos os punhos. Também conhecido como AWASE ZUKI. MOTO NO ICHI "posição original ." Comando do juiz para que os lutadores voltem as suas linhas iniciais. MUDANSHA Alunos que se preparam para exame de faixa preta. MUBOBI Advertencia por descuido com sua própria segurança N: NAGARE Fluxo; fluxo ininterrupto de ki durante a execução de uma técnica. NANBEI América Do Sul. NANBOKU Norte e Sul. NANDE Por que.? NANDEMO Qualquer Coisa NAGE "Aquele que arremessa," o defensor que aplica a técnica contra o atacante. NAOTE Voltar a posição NUKITE "Mão de espada" NUNCHAKU Arma Okinawense que consiste em bastões unidos por corda ou corrente. Foi originalmente utilizado pelos Okinawenses como instrumento de colheita para destroçar palha de arroz. O: OBI faixa que prende o uniforme de treino ONEGAI SHIMASU "Boas vindas dado ao aluno qundo inicia a prática”,Por favor. OSAE UKE Bloqueio ou defasa para baixo. OTOSHI EMPI UCHI Golpe de cotovelo para baixo. OTOCHI OSAE UKE Defesa para baixo como TEICHO UKE em forma de pressão, também chamado de SHOTEI OSAE UKE OYAYUBI IPPON KEN Junta do dedo polegar. OYO WAZA Aplicação da interpretação das técnicas de um KATA, varindo de acordo com as condições do momento. OSS Saudação dos atlétas de karatê,energia positiva. R: REI Respeito, curvar-se abaixo do mais graduado REIGI Etiqueta. Manter e buscar sempre a etiqueta formal. Mesmo em uma luta manter sempre a senceridade. REINOJI DACHI Base em que os pés forman um “L” RENSEI Observar e criticar o desempenho dos competidores num torneio. RENSHI "Uma pessoa que dominou a si mesma." Um especialista das técnicas daquele sistema S: SAGI ASHI DACHI Igual a GANKAKU DACHI ou TSURU ASHI DACHI. SAI Uma arma de Okinawa que é amoldada em forma de tridente com o dente do meio maior. SANBON KUMITE Luta de três passos. SANBON SHOBU Luta de três pontos. Usado em torneios.. SANCHIN DACHI Postura ou base em forma circular. SASHITE Elevando a mão para golpear, agarrar, ou bloquear. SEIKEN junta frontal da mão formada pela articulação do dedo indicador e anular. SEIRYUTO técnica que usa a base do SHUTO, proximo a articulação SEIZA Maneira correta de sentar formalmente sobre os joelhos SEMPAI O estudante mais antigo. SEN NO SEN Atacando no momento exato, não deixando o oponente fazer nada. SEN SEN NO SEN Atacando antes dos ataques do oponente. Antecipando-os. SENSEI professor; mestre SHIDOIN Instrutor SHIAI Uma luta de uma competição. SHIHAN “Mestre” Título dado ao mais antigo ou sábio dos professores. Professor dos professores. SHIKKAKU Desqualificação. Expulssão de uma competição.SANBON. SHIKO DACHI base ou posição quadrada. Pés voltados para a lateral. Usado pelo Goju-ryu e Shito-ryu SHIRO Branca SHIZENTAI posição natural - corpo fica relaxado mas alerta SHOBU HAJIME Comando para comessar uma prorrogação de luta SHOBU SANBON HAJIME Comando para início de luta de três ipons. SHOMEN Frente ou topo da cabeça. Tambem a frente de um Dojo. SHUGO Juiz principal chama os auxiliares com movomento de braços. SHUTO TE O mesmo que SHUTO UKE. SHUTO UKE Defesa com a faca de mão. SOCHIN DACHI posição estavel também chamado de FUDO DACHI. SOKUTO lateral ou faca do pé. SOTO (UDE) UKE Bloqueio ou defesa com a parte de fora do braço. SOTO YOKO TE O mesmo que UCHI UDE UKE. SUKUI TE O mesmo que SUKUI UKE. SUKUI UKE Bloqueio ou defesa escavando. SUWARI WAZA Técnicas usadas a partir da posição sentado. T: TAI SABAKI esquiva TAIMING GA OSOI parar a cronometragem TATE EMPI Golpe de cotovelo para cima. TATE URAKEN UCHI Ataque Vertical com a parte de trás do punho. TATE ZUKI Soco Vertical com a outra mão apoiando o braço TEIJI DACHI Base ou posição coms os pés formando um “T” TEISHO UCHI pancada com a palma da mão. TEISHO UKE Bloqueio ou defesa com a palma da mão TEISHO YOKO UKE Bloqueio lateral em kibadachi (Jion) TETTSUI UCHI Pancada de martelo KENTSUI. TOBI GERI Chute Saltando. TONFA Ferramenta de agricultura transformada em arma pelos Okinawenses TORANAI "Nenhum ponto" TORIMASEN "nenhuma técnica pontuavel." Cancelamento de uma indicação anterior. TSUKAMI WAZA técnica de agarrar a arma(arma, perna ou braço)do adversário. TSUKI Soco em forma de punhalada TSURU ASHI DACHI Posição do Grou, também chamado de GANKAKU DACHI e SAGI ASHI DACHI. TSUZUKETE Prosseguir. TSUZUKETE HAJIME "Reiniciar uma luta” o árbitro dá um passo atras em ZENKUTSU DACHI TUITE habilidades lutando. U: UCHI (UDE) UKE Bloqueio com a parte interna do antebraço. UCHI DESHI Estudante que vive em um dojo. Dedicando tempo integral ao treinamento e as vezes aos serviços pessoais do Sensei. UCHI MAWASHI GERI Dentro de um chute circular. UCHI YOKO TE O mesmo que SOTO UDE UKE. UKE Bloqueio ou defesa UKEMI WAZA tecnicas de projeção.. URA ZUKI Soso subindo (mão invertida) URA MAWASHI GERI Chute circular invertido. URAKEN Atrás das juntas dos dedos indicador e anular. USHIRO EMPI UCHI Golpeando com o cotovelo para tras. USHIRO GERI Chute para tras. UTOSHI-UKE Bloqueio como tetsui, (Jion) W: WA-UKE Um bloqueio onde a mão percorre um caminho como se estivese limpando uma parede a sua frente. No final enclinase a mesma para fora. Defesa usada no kata Shimpa. WAZA Técnicas WAZA ARI "Meio ponto" Y: YAMA ZUKI Soco em forma de “U”. (Bassai-Daí) YAME Pare! YOI preparar YOKO Lado. YOKO GERI KEAGE Pontapé repentino lateral. Também chamado de YOKO KEAGE. YOKO GERI KEKOMI Pontapé de punhalada. Também chamado de YOKO KEKOMI. YOKO MAWASHI EMPI UCHI Golpeando com o cotovelo para o lado. YOKO TOBI GERI pontapé lateral voador. YORY ASHI Movimento simultâneo de pés YOWAI fraco YUDANSHA praticante graduado; faixa preta (qualquer grau) Z: ZANSHIN estado de reserva mental/ espiritual ZAREI cumprimento sentado ZAZEN meditação sentado ZENKUTSU DACHI base avançada. 70% do peso a frente. ZENSHIN Avançar a frente atento a luta.

Karate (Japão)
O Karate e as demais artes marciais atuais têm suas raízes mais remotas nos séculos V e VI antes de Cristo, quando se encontram os primeiros indícios de lutas na Índia. Esta luta era chamada "Vajramushti", cuja tradução aproximada poderia ser "aquele cujo punho cerrado é inflexível". Vajramushti foi o estilo de luta do Kshatriya, uma casta de guerreiros da Índia.
Em 520 A.D., um monge budista chamado Bodhidharma (também conhecido como "Ta Mo" em chinês ou " Daruma Taishi" em japonês), viajou da Índia para a China para ensinar Budismo no Templo Shaolin (Shorinji). A lenda conta que quando ele chegou encontrou os monges do Templo numa condição de saúde tão precária, devido às longas horas que eles passavam imóveis durante a meditação, que ele imediatamente se preocupou em melhorar a saúde deles.
O que ele ensinou foi uma combinação exercícios de respiração profunda, yoga e uma série de movimentos conhecidos como "As Dezoito Mãos de Lo Han" (Lo Han foi um famoso discípulo de Buda). Esses ensinamentos foram reunidos em um só e os monges logo se descobriram capazes de se defender contra os muitos bandidos nômades que os consideravam uma presa fácil.
Os ensinamentos de Bodhidharma são reconhecidos pelos historiadores como a base de um estilo de arte marcial chamado Shaolin Kung Fu.
Diferentes estilos de Kung Fu se desenvolveram quando as personalidades e as nuanças dos monges emergiram.
Haviam dois templos Shaolin, um na província de Honan e outro em Fukien. Entre 840 e 846 A.D., ambos os templos, assim como muitos milhares de templos menores, foram saqueados e queimados. Isto foi supervisionado pelo Governo Imperial Chinês, que na época tinha uma política de perseguição e importunação sobre os Budistas. Os templos de Honan e Fukien foram mais tarde reconstruídos somente para serem destruídos por completo pelos Manchus durante a Dinastia Ming de 1368 a 1644 A.D. Somente cinco monges escaparam, todos os outros foram massacrados pelo imenso exército Manchu.
Os cinco sobreviventes tornaram-se conhecidos como "Os Cinco Ancestrais". Eles vagaram por toda China, cada um ensinando sua própria forma de Kung Fu. Considera-se que este fato deu origem aos cinco estilos básicos de Kung Fu: Tigre, Dragão, Leopardo, Serpente e Grou.
Como cidadãos chineses emigraram para as ilhas de Okinawa, novos sistemas se desenvolveram. O nome genérico dado às formas de luta de Okinawa foi "Te", que significa "mão".
Haviam três principais núcleos de "Te" em Okinawa. Estes núcleos eram as cidades de Shuri, Naha e Tomari. Conseqüentemente os três estilos básicos tornaram-se conhecidos como Shuri-te, Naha-te e Tomari-te.
O primeiro deles, Shuri-te, veio a ser ensinado por Sakugawa (1733-1815), que ensinou Sokon "Bushi" Matsumura (1796-1893), e que por sua vez ensinou Anko Itosu (1813-1915). Foi Itosu o responsável pela introdução da arte nas escolas públicas de Okinawa. Shuri-te foi o precursor dos estilos japoneses que eventualmente vieram a se chamar Shotokan, Shito Ryu e Isshin Ryu.
Naha-te tornou-se popular devido aos esforços de Kanryo Higaonna (1853-1916). O principal professor de Higaonna foi Seisho Arakaki (1840-1920) e seu mais famoso aluno foi Chojun Miyagi (1888-1953). Miyagi também foi à China para estudar. Ele mais tarde desenvolveu o estilo conhecido hoje por Goju Ryu.
Tomari-te foi desenvolvido juntamente por Kosaku Matsumora (1829-1898) e Kosaku Oyadomari (1831-1905). Matsumora ensinou Chokki Motobu (1871-1944) e Oyadomari ensinou Chotoku Kyan (1870-1945) - dois dos mais famosos professores da época. Até então Tomari-te era largamente ensinado e influenciou tanto Shuri-te como Naha-te.

A palavra Karate significa "mãos vazias" (kara - vazia / te - mãos), mas o karate (assim como outras artes marciais japonesas) ultrapassa a questão de arte marcial, e passa a ser um caminho para o desenvolvimento espiritual, sendo acrescentado ao nome a palavra "Do" que significa "caminho". Sendo assim, Karate-Do significa "caminho das mãos vazias".
O karate foi reconhecido como esporte olímpico, já tendo participado do último pan-americano em Winipeg 99 (Canadá), e participará das olimpíadas de 2004. São reconhecidos pelo C.O.I (Comitê Olímpico Internacional) os seguintes estilos de Karate: Shotokan, Goju-ryu, Wado-kai e Shito-ryu.
As primeiras formas de auto-defesa humanas datam de aproximadamente dos seculos VI e V antes de Cristo na Índia chamada "Vajramushti" (aquele cujo punho cerrado é inflexível ). Depois, em 520 dC, Bodhidharma (Monge bodista também conhecido como "Ta Mo" em chinês ou "Daruma Taishi" em japonês), viajou da Índia para a China para ensinar Budismo no Templo Shaolin (Shorinji). Ele ensinou aos outros nomes técnicas de defesa pessoal aos outros monges. Esses ensinamentos são a base do Shaolin Kung Fu.
Durante a dinastia Ming de 1368 a 1644 aC, somente cinco monges escaparam da destruição dos templos de Shaolin. Os cinco sobreviventes tornaram-se conhecidos como "Os Cinco Ancestrais". Eles vagaram por toda China, cada um ensinando sua própria forma de Kung Fu. Muitos historiadores de hoje em dia acreditam que este fato deu origem aos cinco estilos básicos de Kung Fu: Tigre, Dragão, Leopardo, Serpente e Grou. Os chineses que emigraram para as ilhas de Okinawa criaram novos sistemas de luta baseados no aprendizado absorvido na China.
O nome genérico dado às formas de luta de Okinawa foi "Te" (que significa "mão"). Com isso, surgiram os principais estilos da época: Shuri-te, Naha-te e Tomari-te (nomes originários das cidades onde foram desenvolvidos). Sakugawa (1733-1815) ensinou Sokon "Bushi" Matsumura (1796-1893) e Anko Itosu (1813-1915), ambos do estilo Shuri-te, dando origem aos estilos conhecidos hoje como Shotokan, Shito-ryu e Isshin Ryu.
Seisho Arakaki (1840-1920), do estilo Naha-te, foi o professor de Kanryo Higaonna (1853-1916) e seu mais famoso aluno foi Chojun Miyagi (1888-1953). Foi Chojun Miyagi quem desenvolveu o estilo Goju-ryu. Tomari-te foi desenvolvido juntamente por Kosaku Matsumora (1829-1898) e Kosaku Oyadomari (1831-1905).
Matsumora ensinou Chokki Motobu (1871-1944) e Oyadomari ensinou Chotoku Kyan (1870-1945). - dois dos mais famosos professores da época. Até então Tomari-te era largamente ensinado e influenciou tanto Shuri-te como Naha-te.
Significado dos Kata (Shotokan):
NOMES DOS KATA:
A instrução é dada através dos 19 Katas:
- Taikyoku Shodan, Nidan e Sandan (iniciante)
- Heian Shodan, Nidan, Sandan, Yodan e Godan, Bassai, Kanku, Empi e Gankaku (estilo Shorin)
- Jutte, Hangetsu, Jion, Tekki Shodan, Nidan e Sandan (estilo Shorei)
- Ten No Kata (uma forma de Kumite)
Os nomes dos Katas chegaram até nós verbalmente. Os nomes usados no passado, como Pinan, Seishan, Naifanchi, Wanshu, Chinto, e outros, têm levado a freqüentes erros na instrução. Sendo o Karate uma arte marcial japonesa, não há razão para manter estes nomes pouco familiares e pouco esclarecidos de origem Chinesa, simplesmente por terem sido usados no começo. Portanto, após refletir sobre a natureza figurativa das decrições dos Kata dos velhos Mestres, Gishin Funakoshi nos apresenta os Katas com os seguintes nomes e descrições:
TAIKYOKU (A Criação): representa 3 Katas: Shodan, Nidan e Sandan. Uma forma para iniciantes. Consiste nos bloqueios e ataques mais úteis na prática das técnicas básicas. Este Kata e o Ten No Kata são o produto de longos anos pesquisando e estudando sobre a arte do Karate. Quando praticados regularmente resultam no desenvolvimento equilibrado do corpo e na estável habilidade para suportar o corpo corretamente. O aluno que adquiriu proficiência nas técnicas básicas e compreende a essência do Kata Taikyoku, irá valorizar o real significado deste princípio: "No karate não há vantagem no primeiro ataque".
HEIAN (A Mente Tranqüila): Há cinco formas de Heian, contendo uma grande variedade de técnicas, quase todas relacionadas a posturas básicas. Alguém que tenha aprendido estas cinco formas pode estar seguro que é capaz de defender-se com muita habilidade na maioria das situações. O significado do nome deve ser levado em consideração neste contexto.
PS - as formas indicadas aqui como Shodan (primeira) e Nidan (segunda) estão inversas em relação à sua ordem tradicional.
Esta mudança foi introduzida após considerar seus vários pontos de dificuldade e facilidade para o ensinamento.
BASSAI (Entrar Em Uma Fortaleza): esta forma de Kata contém repetidas mudanças dos braços de bloqueio, movimentos representando a sensibilidade para alterar uma posição de desvantagem para uma vantajosa, uma sensação que sugere determinação, como se fosse aquela necessária para invadir a fortaleza do inimigo.
KANKU (Olhar Para O Céu): O nome deste Kata derivou-se originariamente do mesmo introduzido por Ku Shanku, integrante do exército Chinês. O nome refere-se ao primeiro movimento do Kata, no qual levanta-se as mãos e olha-se para o céu.
EMPI (O Vôo Da Andorinha): A movimentação característica deste Kata é o ataque a um nível mais acima do solo. Na sequência segura-se o opoente e o induz a permanecer em uma posição específica, simultaneamente avançando e atacando novamente. O movimento representa o vôo rápido e ágil da andorinha.
GANKAKU (A Garça Pousada Na Pedra): Kata caracterizado pela postura em uma só perna que ocorre repetidamente. Representa a visão da garça pousada numa pedra, prestes a lançar-se sobre sua vítima.
JUTTE (Dez Mãos): Nas formas remanescentes pertencem ao estilo Shorei, os movimentos são um tanto mais pesados quando comparados àqueles do estilo Shorin. A postura é muito audaz. Proporcionam bom condicionamento físico. O nome Jutte sugere que alguém que tenha aprendido este Kata é tão eficiente como dez homens de uma só vez.
HANGETSU (Meia-Lua): Nos movimentos para frente, neste Kata, são descritos semicírculos com as mãos e os pés de maneira característica, sendo seu nome derivado deste fato.
TEKKI (Andar A Cavalo): O nome refere-se a característica distinta deste Kata que é sua postura Kiba-dachi, como montar a cavalo. Neste as pernas são fortemente posicionadas bem abertas, como se fosse para sentar no dorso de um cavalo, e a tensão é aplicada nas bordas externas das solas dos pés com a sensação de concentrar a força em direção ao centro.
JION: Este é o nome original, e tem aparecido muito na literatura chinesa desde os tempos antigos. O Jionji é um famoso velho templo Budista, e há um santo Budista bastante conhecido chamado Jion. O nome sugere que o Kata tenha sido introduzido por alguém identificado com o Templo Jion, assim como o nome Shorin-ji Kempo deriva de uma relação com o Templo Shorin.
TEN NO KATA (O Kata Do Universo): Esta forma foi introduzida juntamente com o Kata Taikyoku há dez anos atrás. Consiste de duas partes complementares: frente (omote) ou parte um, e costas (ura) ou parte dois, sendo esta forma designada para uso igualmente apropriado como forma de Kumite. A frente (omote) é usada no treinamento individual e as costas (ura) no treinamento com um oponente em competição (Kumite) - O iniciante deve estudá-lo e praticá-lo seriamente até que venha a fazer parte deste kata.
UNSU: O Kata com o estilo do Dragão por Mestre Aragaki. Onde ele o treinou não se tem conhecimento, mas as grandes influências chinesas neste Kata sugerem que tenha sido certamente em continente chinês. O nome usado em Okinawa é Unshou e significa "Defesa Contra A Nuvem", ou seja, mesmo se seus inimigos cercarem você como uma nuvem, com certeza você os vencerá se tiver aprendido o Unsu.
MEIKYO: Este é um Kata muito misterioso. Presume-se que os japoneses o conheciam muito antes que Mestre Funakoshi tenha introduzido o Karate de Okinawa no Japão. Há até mesmo uma lenda japonesa a respeito de Ameratsu, a deusa do sol. Ela havia perdido seu espelho e não podia admirar-se, ficando muito aborrecida. Desta maneira, o mundo ficou nas trevas. Finalmente os outros deuses decidiram que alguma coisa deveria ser feita, então enviaram um grande guerreiro para realizar a "Dança da Guerra" do lado de fora da caverna. A "Dança Da Guerra" foi nomeada Meikyo. Meikyo é traduzido como "O Espelho da alma". O nome antigo para Meikyo era Rohai, o qual está agora voltando a ser usado.
Competição de Kata
A competição de Kata deve ser realizada em uma área plana, lisa e desprovida de qualquer perigo ou obstaculo, pra que seja possível uma execução ininterrupta do Kata.
Na competição de Kata são avaliados os seguintes critérios:
- O kata deve ser executado com competência e deve-se demonstrar um claro entendimento das técnicas executadas;
- A apresentação deve apresentar foco correto de atenção, uso de potência, bom equilibrio e respiração adequada;
- Os atletas devem estar trajando kimonos brancos amarrados pela faixa. Mulheres podem usar camisa branca por baixo do kimono e discretas presilhas de cabelo (desde que não se soltem);
- A competição pode ser por equipe (03 pessoas) ou individual;
- Os competidores devem executar kata obrigatórios nas fases eliminatórias (Shitei Kata) e kata livres na fase final da competição (Tokui Kata), ambas as listas seguem as escolas reconhecidas pela WKF (World Karate Federation) que são Goju Ryu, Shito Ryu, Shotokan e Wado Ryu. Não sendo permitida qualquer variação;
- O Kata deve ser executado começando-se voltado para o chefe dos árbitros e deve ser terminado na mesma posição. Os competidores devem ainda antes de executar o kata fazer uma saldação ao koto (área de competição), saldação aos árbitros e anunciar o nome do kata a ser executado em tom alto e claro , pois qualquer variação entre o nome e o Kata executado acarreta em desclassificação do atleta.
O quadro de árbitros é composto de 05 ou 07 árbitros, que ficam sentados ao redor da área de competição para poderem avaliar o desempenho dos atletas. A competição é dada em três rodadas, a primeira com todos os atletas e desta se classificarão 16 atletas para a segunda rodada onde se classificarão 8 atletas e destes serão determinadas as classificações finais. Em todas as rodads os atletas devem apresentar kata diferentes. A cada apresentação são dadas notas, destas notas são cortadas a maior e a menor nota e as demais são somadas determinando assim quem se classifica para a fase seguinte. Em caso de empate é realizado um Kata adicional diferente dos já apresentados pelo atleta.
Lista oficial para competição de Kata (Shitei Kata):
- Bassai (Bassai Dai)
- Chinto (Gankaku)
- Jion
- Gojushiho
- Gojushiho Sho
- Gojushiho Dai
- Koshokun Sho (Kanku Sho)
- Kururunfa
- Kushanku (Koshokun Dai, Kanku Dai)
- Nipaipo Niseshi (Nijushiho)
- Rojai (Meikyo)
- Seishan (Hangetsu)
- Saifa
- Seienchin
- Seipai
- Seisan
- Shiho Koshokun
- Shisoshin
- Suparinpei
- Unshu (Unsu)
- Wanshu (Enpi)
O Karate Moderno
Estas são as duas principais linhas de Karate, o Shuri-te (Shotokan Ryu) e o Naha-te (Goju Ryu):
Gichin Funakoshi e o Shotokan Ryu
Chojun Miyagi e o Goju Ryu


AS ESCRITAS E ALGUNS COSTUMES JAPONESES

No Japão a tradição ainda é muito forte. Ao ser apresentando a um japonês, você pode tanto fazer a reverência tradicional como oferecer um aperto de mão (ou ambos).

Exceto no caso de amigos antigos, evite de chamar um japonês pelo nome. Trate-o pelo sobrenome acrescido de "–san" (funciona como “senhor”, “senhora” ou “senhorita”). Os nomes completos são apresentados de modo inverso ao adotado no ocidente, com o sobrenome na frente. Pode-se acrescentar o sufixo –san tanto ao nome quanto ao sobrenome, mas nunca para se referir a si mesmo ou se dirigir a seus próprios familiares.

No Japão o status tem extrema importância. Ao visitar um lar japonês, não esqueça de tirar os sapatos na entrada, você receberá chinelos que também deverão ser retirados quando você entrar em um ambiente coberto de tatame.

Ao entrar numa sala pode-se dizer odyama-chimas, que significa literalmente “estou incomodando”, ou shitsurei-shimass, que equivale a “estou sendo pouco educado”.

A língua japonesa é falada no Japão e em comunidades japonesas fora do Japão. Na língua escrita existem três alfabetos diferentes: o Hiragana, o Katakana e o Kanji.

No Kanji, cada caractere representa uma idéia, mas não necessariamente um som. Existem mais de 40.000 ideogramas kanji, mas o número de caracteres que uma pessoa aprende na escola (e deve saber para ser considerada alfabetizada) é de 1945.

O hiragana é um conjunto de 48 caracteres que representam uma sílaba cada um. Ao contrário dos kanji, os hiragana não significam nada em especial, apenas representam um som.

O katakana é um alfabeto semelhante ao hiragana. O funcionamento é o mesmo, sendo que 48 símbolos são usados para as mesmas sílabas do hiragana. O que muda, no entanto é o objetivo: o katakana é usado apenas para escrever nomes ocidentais, nomes de países, de produtos ou para escrever algumas palavras originárias de outros idiomas.

Muito do vocabulário japonês foi importado da língua chinesa ou criada em modelos chineses.
Fonte: Guia Visual Folha de S. Paulo - JAPONÊS - Dorling Kindersley

"UCHI UKE e UCHI MATA" são palavras usadas no Karate e no Judo respectivamente.Alguns instrutores dizem: "USHI UKE" / "USHI MATA", mas, no que se refere às pronúncias com palavras com “CH” tem som de “TCH”.E pior que "USHI" em japonês quer dizer "VACA".Pronunciando estas palavras desta forma teríamos então "A DEFESA DA VACA" e a "COXA DA VACA" quando na realidade se queria dizer "Utchi Uquê" Defesa interna, "Utchi mata" Interior da coxa.Nas aulas de Karate-Do é comum ver algum instrutor erradamente fazer referência a GERI-WAZA.A palavra GERI quando colocada como primeira palavra em uma expressão significa "diarréia". "Técnicas de diarréia" não me parece uma boa idéia a nível de chutes!
O correto é KERI-WAZA - "Técnicas de chutes/pontapés".A palavra KERI quando vinda em segundo lugar em uma expressão, muda para GERI.KERI - Chute, pontapé deve ser usada sozinha ou como primeira palavra em uma expressão; MAE-GERI - Chute frontal (na segunda posição de uma expressão). Em japonês NÃO há artigos (o, a, os, as, um, uma, uns, umas), não há gêneros (masculino ou feminino), nem há plural (”s” no final das palavras).Algumas pessoas quando escrevem textos sobre Karate, escrevem “OS KATAS” e outros, também erradamente, contrapõem que o correto seria “AS KATAS”. Ambos estão errados.Não há palavra plural em japonês. Assim, a palavra “KATAS” não existe! As formas corretas de escrever isto podem ser: OS KATA ou AS KATA, sem o “s” final.
Outra expressão usualmente incorreta é “Mae-geri-ke-age”. Não está correta porque KERI e KE são o mesmo ideograma e, consequentemente, têm a mesma tradução: “Chute”.Traduzindo-se literalmente a expressão “Mae-geri-ke-age” fica “Frontal, chute, chute, para cima”.A expressão correta é: MAE-KE-AGE “chute frontal para cima”, o mesmo aplica-se a YOKO-KE-AGE, etc.

Fonte: Comunidade Karate Sul - Sensei César Augusto Estivales.

Acessórios

Gi - Uniforme.
Kimono - Roupa.
Uwagui - Casaco. Também chamado Dogi.
Obi - Faixa.
Zubon - Calças.
Hakama - Calças.
Zori - Sandálias de palha.
Geta - Sandálias de madeira.
Tabi - Meias japonesas.
Yoroi - Armadura Samurai.
Kabuto - Capacete Samurai.

Local de Treino

Dojo - Local de treino.
Machi-dojo - Dojo privado reservado ao treino de uma ou várias artes marciais.
Tatami - Solo de treino.
Jo - Área de combate.
Kamidana - Altar dos Kami (Deuses Shinto).
Kamiza - Assento dos Kami. Lugar onde se encontram as fotos de antepassados ou caligrafias e é onde se senta o mestre, também denominado Joza (Assento Superior). Situado à frente.
Joseki - Lugar de saudação, de assento e de entrada ao Tatami dos mais graduados. Situado à direita.
Shimoseki - Assento e entrada ao Tatami dos menos graduados. Situado à esquerda.
Shimoza - Assento Inferior. Lugar de saudação para os menos graduados. Situado em frente ao Kamiza.

Saudações

Reigisa-ho - Conjunto de regras que formam o ritual de saudação.
Rei - Cortesia, etiqueta, saudação.
Ritsu rei - Saudação em pé.
Za rei - Saudação em Seiza (sentado de joelhos).
Shinden ni rei - Saudação ao Altar, Dojo.
Sensei ni rei - Saudação a Mestre.
Shidoin ni rei - Saudação ao aluno mais avançado.
Otagai ni rei - Saudação entre companheiros.
Onegai shimasu - Por favor, vamos praticar juntos.
Oshiete Kudasai - Por favor, ensina-me.
Domo Arigato Gozaimashita - Muito obrigado. Também Domo arigato gozaimasu.
Douitashimashite - De nada.
Gomen nasai - Desculpe.
Dozo - Adiante, por favor.

Graduações / Títulos / Praticantes

Kyudan - Conjunto de graus inferiores e superiores nas Artes Marciais.
Kyu - Graduações inferiores.
Rokkyu - 6º Kyu - Faixa Branco (Obi Shiroi).
Gokkyu - 5º Kyu - Faixa Amarelo ( Obi Kiroi).
Shikyu - 4º Kyu - Faixa Laranja (Obi Aka).
Sankyu - 3º Kyu - Faixa Verde ( Obi Midori).
Nikyu - 2º Kyu - Faixa Azul (Obi Aoi).
Ikkyu - 1º Kyu - Faixa Marron (Obi Chairo).
Dan - Graduações Superiores.
Shodan - 1º Dan.
Nidan - 2º Dan.
Sandan - 3º Dan.
Yodan - 4º Dan. Renshi
Godan - 5º Dan. Renshi.
Rokudan - 6º Dan. Renshi.
Sishidan - 7º Dan. Kyoshi.
Hashidan - 8º Dan. Kyoshi.
Kyudan - 9º Dan. Hanshi.
Judan - 10º Dan. Hanshi.
Nyumonsha - Aprendiz aceite num Ryu.
Kohai - Principiante, novato.
Dohai - Companheiro do mesmo nível num Bugei.
Deshi - Aluno. Também Montei.
Gaijin - Budoka Ocidental.
Mudansha - Praticante de Kyu.
Yudansha - Praticante de Dan.
Kodansha - De 5º Dan acima.
Meijin - Mestre Superior. O grau mais elevado das Artes Marciais Tradicionais.
Uchi-deshi - Aluno especial.
Monjin - Discípulo.
Juku-gashira - Discípulo ao qual é transmitido todo o segredo. Podia ser um filho ou um aluno.
Ruysha - Discípulo de um Mestre de um Ryu que segue a disciplina ensinada por este.
Kyohan - Instrutor, Mestre.
Senpai - É o aluno mais veterano do Sensei, também se pode atribuir ao Mestre de um Dojo.
Sensei - Literalmente um nascido antes que um. Mestre Principal, às vezes utiliza-se como Mestre criador de um Ryu.
Waka-sensei - Jovem Mestre, título dado ao filho ou sucessor jovem do criador de um Dojo.
O-Sensei ou Dai-Sensei - Grande Mestre, só se concede a alguns mestres. (Gishin Funakoshi, Shigeru Egami, Morihei Ueshiba...)
Renshi - Expert. De 4º a 6º Dan. O que tem domínio de si.
Kyoshi - Perfeição Interior. De 7º a 8º Dan.
Shihan - Título Superior. A mais alta graduação, aplicada de 9º a 10º Dan.

Arte Marcial

Do - Via, Caminho. Conceito que se aplica à parte Espiritual como disciplina para a formação do caráter e do corpo mediante a prática de uma Arte Marcial.
Jutsu - Técnica. Conceito que se aplica à parte Material das Artes Marciais, dirigido principalmente à eficiência das técnicas de uma Arte Marcial e em segundo plano à sua filosofia.
Bugei - Arte Marcial. Bu - marcial /guerra e Gei - arte.
Bujutsu - Técnicas da Guerra, focando principalmente a eficácia das técnicas da Guerra, mas não desprezando a faceta espiritual.
Budo - A Via da Arte da Guerra, focado em preservar a paz e evitar o conflito, tendo fortemente marcada a influência Budismo Zen e Shinto, e cuja prática principal é ao desenvolvimento interior mediante a prática marcial. Este nome modificou-se para Bujutsu no período Edo.
Gendai Bujutsu - Arte Marcial moderna.
Koryu - Escola tradicional, escola antiga.
Dokkodo -Via que há que seguir sozinho.
Buke-seigi - Código e regulamento militar.
Buki - Utensílios ou ferramentas adaptados como armas de guerra.
Budoka - Artista Marcial. Praticante de uma disciplina marcial.
Budo Mugen - O Budo é infinito.
Budo Ni Chikamichi Nashi - No Budo não há atalhos.
Budo Wa Shusei Geneki - O Budoka deve permanecer ativo durante toda a sua vida, deve treinar, praticar com vontade, investigar para desenvolver as técnicas, aperfeiçoar o caráter e a filosofia, para então orientar os seus sucessores.
Hyodo - Antigo nome dado aos Budo.
Kakuto-bugei - Artes Marciais de combate, conjunto de técnicas Budo em que se utiliza só armas, excluindo as técnicas com as mãos desarmadas.
Nagai-mono - Armas compridas , categoria de armas compridas como os sabres, lanças, etc.
Mijikai-mono - Armas curtas , categoria de armas curtas como punhais, facas, bastões, correntes, etc.
Marubashi - A via da natureza, da liberdade e da energia da vida.
Hiho - Método secreto.
Hiden - Ciência oculta, mistério de uma arte.
Hi-jutsu - Técnicas ocultas.
Oshikiuchi - Artes Militares secretas que eram ensinadas somente aos guerreiros de alta patente (oficiais).
Jiei - Defesa Pessoal. Também Goshinjutsu.
Hyoho - Método da estratégia.
Heido -Via Militar.
Bushi - Guerreiro.
Senshi - Mulher guerreira, costumavam lutar para um Daimyo.
Hei - Arma, guerreiro, exército.
Han - Pelotão, patrulha, corpo.
Ryu - Escola, estilo.

Palavras Comuns no Dojo

Hai - Sim.
Iie - Não.
Joi - Atenção, preparados. Também chamado Kiotsuke.
Hajime - Começar. Também Hashime.
Yoshi - Ide, seguinte, adiante.
Hakke-yoi - Muito bem!
Yame - Alto.
Matte - Esperar.
Yasume - Descanso.
Shugo - Alinhar, formar.
Seiza - Sentar-se de joelhos.
Agura-wo-kaku - Sentar-se com as pernas cruzadas.
Kiritsu - Levantar.
Atatamaru - Pré-aquecimento antes do treino. Também Junan-taisho e Jumbi-undo.
Asiru - Correr.
Junan-shitsu - Flexibilidade, elasticidade. Também Danryoku.
Juho - Treino para a Flexibilidade.
Chui - Advertência.
Mawate - Girar, troca de direção.
Tsugi - A seguir, seguinte, próximo.
Wakare - Separar.

Treinos e Praticas

Hoyo-undo - Estudo dos fundamentos e técnicas de um Budo.
Manabu - Aprender copiando, método de aprendizagem dos movimentos imitando o instrutor.
Keiko - Prática. Estudo e aperfeiçoamento das aplicações e técnicas de um Budo, com o fim de superar (kei) os antigos (ko).
Renshu - Treino físico.
Shugyo - Treino austero.
Kan-geiko - Treino de Inverno.
Asa-geiko - Treino Matinal.
Shinya-geiko - Treino Noturno.
Nohara-geiko - Treino no Campo.
Hatsu-geiko - Treino de ano novo, o qual dura vários dias.
Sute-geiko - Treino especial, reservado a alguns alunos.
Hakuda - Curso de treino.
Taikai - Encontro.
Tandoku-geiko - Prática individual.
Sotai-geiko - Prática com companheiro.
Tandoku-dosa - Estudo e treino de uma técnica individual.
Sotai-dosa - Estudo e treino de uma técnica com um companheiro.
Tameshi - Prova, ensaio, experiência.
Hishigi - Técnica de quebrar madeira, telhas, tijolos...
Siwari - Prática de quebrar no qual se treina e endurece os membros.
Kote kitai - Endurecimento dos antebraços.
Bokinobu - Técnicas com mãos desarmadas contra oponente armado.
Toshunobu - Técnicas com arma contra oponente com mãos desarmadas.
Kakari-geiko - Prática de técnicas básicas de defesa e ataque.
Gokaku-geiko - Treino entre praticantes de um mesmo nível.
Kachinuki - Treino muito especial tipo combate, no qual um praticante enfrenta um oponente atrás de outro, sucessivamente e sem pausas, até ficar esgotado física ou mentalmente e ou ser derrotado.
Kumite - Combate.
Irikumi-kumite - Combate no qual uke se baseia em atacar e tori apenas defende.
Jyu-kumite - Combate livre. Também Jiju-kumite.
Bogu-kumite - Combate com projeções.
Jissen-kumite - Combate real.
Shobu - Combate até à morte entre dois experientes Budokas. Também Shinken-Shobu.
Kakidameshi - Duelos entre escolas, desenrolavam-se secretamente.
Shiai - Luta de destreza, torneio, competição.
Taryu-jiai - Duelos entre distintas escolas ou estilos, realizados para ajudar ao progresso das artes marciais e estabelecer a superioridade do estilo.
Futaridori - Combate contra vários atacantes.
Gonin-gake - Combate contra cinco atacantes.
Junin-gake - Combate contra 10 atacantes.
Hasen-kata - Serie de Katas executadas umas seguidas às outras.
Shinko-kata - Kata superior.
Tokui-kata - Kata preferida.
Tokui-waza - Técnica preferida.
Geki-waza - Técnica de ataque.
To-jin-ho - Quedas particulares executadas sobre uma superfície dura, não sobre Tatami.
Gorei - Prática num grupo de uma arte marcial, sem orientação de um expert. Forma de treino coletivo.
Bunkai - Análise, estudo de uma kata.
Oyo-bunkai - Aplicação de um bunkai.
Enbu - Demonstração.
Shintai - Movimento, formas de deslocar-se.
Shikko - Caminhar de joelhos.
De-ashi - Passo natural.
Okuri-ashi - Passo deslizando a primeira perna e arrastando a outra. Mae frontal e Ato atrás.
Hiraki-ashi - Passo igual a okuri-ashi, mas para os laterais e oblíquos. Mae esquerdo e frontal e Ato direito e atrás.
Tsugi-ashi - Passo deslizando a perna traseira e depois a dianteira. Mae frontal e Ato para trás.
Suri-ashi - Passo deslizante em avanço.
Ayumi-ashi - Passo cruzado. Mae frontal e Ato para trás.
Yori-ashi - Passo com ambos os pés ao mesmo tempo.
Fumi-gaeshi - Troca de guarda sem deslocamento.
Tenkai-ashi - Pivo, rodar a direção do corpo sem deslocação.
Irimi - Esquiva em Tsugi-ashi/okuri-ashi entrando.
Tenkan - Esquiva girando o corpo e retrocedendo a perna.
Irimi-tenkan - Esquiva entrando e girando o corpo para desequilibrar.
Kaiten-ashi - Esquiva em Suri-ashi (irimi) e Tenkan.
Tai-sabaki - Esquiva (kawashi).

Disciplinas e Conceitos Tradicionais

Shitate - Educar, disciplinar.
Dojo-Kun - Regra, código, conduta do Dojo.
Budo-seishin - Formação espiritual e conceitos filosóficos do Budoka.
Sushin-ho - Cultura do espírito e da moral, ao qual se atribui a capacidade de conduzir o homem a autoperfeição mediante um Budo.
Kyudo Mugen - A busca do caminho é ilimitada.
Tanren - Prática assídua pela qual se chega a autoperfeição.
Seishin-tanren - Formação espiritual do homem, cujo espírito, comparável a uma folha de sabre, deve, como esta, ser forjada e purificada de maneira a que alcance a perfeição.
Makoto - Mente pura. Sentimento de sinceridade absoluta. Fidelidade, lealdade.
Gyodo - A verdadeira via. O que leva o Do verdadeiramente no seu coração.
Tsua-mono - Homem de valor, de qualidade. Guerreiro valente.
Otokodate - Homem de espírito cavalheiresco e forte caráter que alcançou o domínio das suas paixões pela prática do Budo que defende os fracos e oprimidos.
Kyokaku - É o equivalente de Otokodate do cavaleiro europeu.
Ki-gai-yuku - O Ki vai-se, estado de fadiga e pouco Ki.
Yuki - Valor, coragem.
Tsuyoki - Vigor, forte, pessoa de grande caráter com um Ki poderoso.
Yowaki - Timidez, débil, pessoa de pouco caráter com um Ki débil.
Michi-o-osameru - Alcançar a Via.
Gokoku-taihei - Defender a Paz.
Nukazu-ni-sumu - Sem desembainhar o sabre, significa que o sabre está para manter a paz e não para fazer a guerra.
Ho - Método, conjunto, lei, regra.
O-moi - Ajudar com carinho e desapego.
Kokoro-e - Verdadeiro espírito de compreensão e conhecimento do Budo.
Magokoro - Sinceridade de coração.
Shoshin-o-wasurezu - Não esqueças o espírito e humildade de um principiante.
Kantan-na-mono-yoku-kachi-o-seisu - O equilíbrio entre a vitória e a derrota muitas vezes depende das coisas simples.
Yamato-gokoro - Coração Japonês.
Furyu - Costumes e crenças das antigas gerações que há que respeitar no treino.
Bushi-no-nasake - Ternura do guerreiro, até os mais fortes e valentes devem mostrar compaixão e carinho a todos os seres, a força e o conhecimento em tempos de paz, não deviam servir mais que para proteger os fracos e ensinar aos ignorantes.
Ahimsa - sânscrito - Não-violência dirigido aos homens e animais. Ideal de origem budista excluindo o ódio, os maus pensamentos e o egoísmo.
Alaya - sânscrito - Depósito da consciência. É o inconsciente que alimenta a consciência.
Mokuso - Meditação (mokko/ meso) em seiza. Momento de silêncio meditativo que geralmente se faz ao iniciar ou ao terminar uma aula. Tem como objetivos libertar a mente, acalmar o espírito e preparar o estudante para o treino.
Higyo hi-za Sammai - Meditação livre que deve conduzir ao vazio completo.
Antei - Harmonia, equilíbrio, firmeza.
Fu-antei - Desequilíbrio, instabilidade.
Gaman - Perseverança, paciência.
I - Vontade.
Jukuren - Habilidade, destreza.
Ichiban - Primeiro em japonês; diz-se de tudo o que é de primeira qualidade, pode aplicar-se tanto às coisas como à técnica.
Enryo - Desprezo da morte, sem medo da morte.
Nyunan-shin - Suavidade do espírito, o praticante deve aceitar com humildade as diretrizes do professor abstraindo-se do seu ego.
Keppan - Juramento do principiante antes de começar numa escola clássica de artes marciais.
Buke - Família guerreira. Nome aplicado à classe dos guerreiros, cuja profissão e cujas técnicas se transmitiam de pais a filhos e de mestres a discípulos.
I-shin-den-shin - Modo de receber um ensinamento segundo a expressão japonesa - Da minha alma à tua alma. Não se transmite verbalmente e dava-se antigamente no Tibet e no Oriente de mestre a discípulo.
Den - Iniciação. Divide-se em 3 fases, Shoden (primária), Chuden (média) e Okuden (secreta ou superior).
Gokuhi - Técnicas particulares que um mestre ensina aos seus alunos mais avançados de graus mais altos, por vezes qualificada de Hiden - ciência oculta, Hijutsu - técnica oculta.
Okuden - Ensinamento Secreto, dada por um mestre a alguns discípulos escolhidos por ele, os quais, por sua vez não devem divulgá-la mais que a Budokas selecionados.
Cho-ichi-ryu - Designação do melhor experiente com sabre, honra perseguida por muitos Bushi.
Dokukodo - Obra escrita por Miyamoto Musashi e dedicada a conselhos de ordem ética aos guerreiros, pondo em evidência o desinteresse, o desprezo pela morte, o sentido de honra, a austeridade e o desprendimento.
Kannagara - Via de intuição que não comporta nem leis nem doutrinas do bem nem do mal. Rege-se pelas leis que governam os fenômenos naturais.
Kototama - Função espiritual dos sons.
Kenshi - Experiente na técnica do sabre.
Bushi - Guerreiro.
Musha-Shugyo - Guerreiro que prova a sua destreza e habilidades com outros guerreiros em duelo ou em Taryu-jiai.
Yaburi-dojo - As escolas de artes marciais eram muito numerosas em todas as épocas, pelo menos desde o século XV, e era normal que mestres e alunos de um Ryu fossem ao Dojo de outro para desafiar os seus praticantes. Quando o mestre desafiado dessa maneira era vencido, perdia o seu prestígio e os seus discípulos alistavam-se debaixo da bandeira do vencedor. Esta prática de desafios ainda existe nos nossos dias entre Dojos de uma mesma disciplina, mas em forma de competição amigável.
Samurai - servidor, vassalo. Soldado que jura lealdade e honra ao seu senhor (daimyo).
Daimyo - Senhor feudal.
Shogun - Governador militar.
Tatsujin - Aquele que alcançou a perfeição do sabre.
Mondo - Reunião formal entre um mestre de artes marciais e os seus alunos ou discípulos (Monjin) no Dojo, durante a qual falam do espírito dos Budo. Na prática do Zen, o mundo é um simples diálogo entre o mestre e um dos seus discípulos, no curso do qual, o mestre dá a este em Koan para que medite. Esta conversa tem como fim superar o processo convencional do pensamento para chegar mesmo ao coração das coisas mediante a compreensão intuitiva. O Koan é uma sentença muito curta sem nenhum significado lógico, mas que esconde uma verdade que o discípulo deve procurar descobrir.
Misogi - Cerimônias e técnicas de purificação.
Tantra - Disciplina espiritual.
Musho-toku - Sem meta nem espírito de proveito. Não desejar alcançar um fim nem desejar proveito ou recompensa por uma ação, sentimento que deve guiar ao que atua o mesmo no Zen como na prática das artes marciais. Só aquele cujo pensamento está purificado pode alcançar este ultimo estado da vida. É a não consciência, a não meditação que situa o espírito em absoluta disponibilidade.
Seishi O Choetsu - Troca de atitude mental do Samurai, confrontado diariamente com o problema da vida e da morte.
Satori - Iluminação espiritual.
Kaigen - Despertar espiritual.
Ri-gi-ittai - Teoria e técnica são uma só.
Shin-gi-ittai - Espírito e técnica são uma só.
Shin-gi-tai - Espírito, técnica e corpo, aplica-se ao desenvolvimento do Budoka em -
Shin - Formação de caráter, domínio do corpo e da mente, filosofia, etc...
Gi - Técnicas, estratégia, formas de treino e conceitos, etc.
Tai - Conhecimento interior do corpo, preparação física, etc.
Rishi - Transcendente, o que encontrou o caminho da verdade.
Ryu-gi - Aprender a dirigir o espírito, um dos segredos das artes marciais.
Shi - Morte. A vida não é mais do que uma passagem transitória entre o material e o espiritual. O Bushido era a via da morte, ganhar ou morrer.

Conceitos da Técnica

Aiki - União com o Ki. Estado de impassibilidade de espírito do combatente, no qual toda a sua força está concentrada no Hara. O seu espírito deve estar livre de qualquer intenção de agressão e permanecer alerta. É o estado estático do Kiai, da mesma maneira que esta seja a forma dinâmica expressa silenciosamente ou não, do Aiki. Dele precede a faculdade de vencer moral e espiritualmente um adversário sem recorrer a armas. É o estado psicológico que não exige vencer sem atingir.
Aiki-ho - Doutrina baseada na não resistência ao empurrão, ao peso ou atração de um adversário, como o ramo de salgueiro que se dobra debaixo da neve e faz com que esta caia, e adotada por muitas escolas.
Sei-Ryoku-Zen-Yo - Mínimo esforço e máxima eficácia/resultado.
Rakka - Força contra força.
Aiki-no-Sen - Tirar proveito da postura do adversário.
Ai-nuke - Situação na qual dois potenciais adversários tendo chegado à união dos seus respectivos Ki, quer seja antes ou durante um confronto, não podem combater e cuja conseqüência é que não pode haver vencedor nem vencido. Os dois adversários chegam então a uma mútua compreensão que supera o materialismo do combate e unem-se espiritualmente, acima dele, em perfeita harmonia.
Antei - Harmonia, equilíbrio, firmeza.
Ato-no-Sen - Iniciativa defensiva, ação de iniciar um movimento de defesa quando se percebe a intenção de ataque do adversário, de maneira que se possa bloquear e contra-atacar imediatamente, às vezes, inclusive, de atacar antes do adversário.
Bonno - Paixão perturbadora. Momento, durante o qual o espírito de um Budoka se fixa e perde a sua serenidade. Se o seu adversário sabe aproveitar-se de este trânsito para o vazio, obterá facilmente a vitória. Portanto, é de uma importância vital que o Budoka tenha sempre o espírito desperto (Hontai), em alerta sereno, com o fim de não dar ocasião ao seu adversário de aproveitar esta lacuna.
Chikara - Força, potência. A ação Chikara (in/yin) acompanhada de Ki (yo/yang) dá uma ação completa perfeita.
Chimei - Golpe decisivo e perigoso que pode ser mortal se dado verdadeiramente a fundo.
Ikken-hissatsu - matar de um só golpe. Também Ichigeki-hisatsu.
De-ai - Ataque realizado ao mesmo tempo em que o adversário.
Debana - Ação de desanimar o adversário.
Ensan-no-Metsuke - Arte de olhar sem ver e ver sem olhar. Não há que se fazer escravo do objeto que se olha, há que captar toda a sua esfera numa visão total.
Enshin - Posição de preparação no combate.
Fudoshin - Espírito imutável. O domínio da mente, o estado no qual o espírito não está perturbado por nada exterior. Ignora o medo face ao perigo, face a uma agressão e face a um acontecimento imprevisto. É a impassibilidade total face aos riscos da vida. Este conceito, exposto por Takuan, foi desenvolvido por Miyamoto Musashi, que o denominou Iwa-no-mi, (Corpo-como-uma-rocha). Diz-se de um combatente que permanece imperturbável e sereno em qualquer circunstância.
Genshin - Pressentir. Sentido de alerta face à ação de um adversário, que permite a um combatente pressentir o seu ataque e que não adquire senão depois de longos anos de prática. Quem o possui pode também prever um ataque uma fração de segundo antes que se produza, e contra-atacar imediatamente com a maior eficácia.
Hangeki - Defesa e contra-ataque simultâneo.
Happo-moku - Técnica de fixar o olhar no vazio de maneira que se enquadre todo o campo visual nas oito direções sem ter que mover a cabeça e sem fixar-se em nenhum objeto em particular.
Heijo-shin - Estado de espírito firme, tranqüilo e desprovido de emoção que deve ter aquele que é objeto de um ataque. Este estado de espírito deve ir acompanhado por uma atitude tranqüila, um ritmo de respiração normal e uma confiança total em si mesmo, sem medo algum.
Hen-O - Conceito da percepção correta dos movimentos do adversário com a resposta técnica apropriada.
Hikia-U - Ser proveitoso, vantajoso.
Hontai - Estado de vigília e de alerta permanente do combatente em combate, no qual o espírito não se fixa, senão que permanece claro e controla todas as faculdades. É o domínio perfeito do corpo, da vontade e do espírito, adquirido após um longo treino. Segundo o monge Zen Takuan, é a Sabedoria que reflete o espírito imóvel que não se fica em nenhuma parte.
Irimi - É a forma positiva de toda a técnica defensiva, a não resistência deixando que a força do adversário se vire contra ele, e que deve originar um movimento simultâneo de contra-ataque.
Jû-joku-go-o-sei-suru - A suavidade controla a força. Conceito que se encontra na base de todos os Budo e que teria sido enunciado pela primeira vez pelo filósofo chinês Lao-Tse.
Jukuryo-danko - Reflexivo, mas rápido na ação.
Ju-No-Ri - Principio de suavidade e de flexibilidade que consta de uma postura adequada e de uma ação sem brutalidade nas quais Tori não deve opor-se à força de Uke, mas pelo contrário, servir-se dela para desequilibrar o adversário conservando sempre o seu próprio equilíbrio.
Kan-ken-futatsu-no-koto - Expressão do guerreiro na sua aplicação do Bujutsu significando a sua possibilidade de ver com os olhos e a mente, dando-lhe a oportunidade de pressentir o perigo.
Kikai - Instante que separa dois movimentos de ataque ou defesa no decurso de um combate (durante o qual um dos adversários se encontra em estado de incerteza) e, portanto vantajoso para o seu oponente.
Kobo-ichi - Unidade no ataque e na defesa. Fenômeno pelo qual a ação defensiva e ofensiva é uma só.
Iki-ai - Coordenação.
Kogeki - Ataque real (em karate).
Kakedameshi - Ataque forte.
Kussin - Expansão e contração do corpo.
Kanzyo - Pensamento concentrado para levar as energias numa mesma direcção.
Todome - Rematar.
Kokoro-no-mizu - Espírito como a água. Estado ideal de espírito, calmo e alerta. Disponível como a superfície da água tranqüila que se molda ao receber um tufo de erva. Este deve ser o estado do Samurai e do Budoka.
Miru-no-kokoro - Espírito de visão. Visão global do adversário, do que o rodeia e avaliação do seu espaço-tempo.
Mizu-no-kokoro - Coração como a água, expressão que indica a calma perfeita do espírito, a sua não agressividade e a sua resistência passiva. A quem o possui, o Mizu-no-kokoro é então sensível a todas as percepções e o seu Ki está em sintonia com todos os seres.
Mushin - Pensamento original, sem fixação de qualquer tipo, aberto a todas as coisas e refletindo-as como se fosse um espelho. É o contrário de Ushin, pensamento temporariamente fixado, consequentemente superficial. O Munen-mushin (Muso) é o estado de vazio (Shunya), de disponibilidade total do espírito que, não estando fixado (Mushin), não se preocupa nunca com a aparência das coisas.
Muso-ken - Movimento atacante ou defensivo, que resulta espontâneo e sem a intervenção do pensamento, antecipando as ações do oponente. O Musoken representa um tipo de sexto sentido.
Mutekatsu - Vitória sem combate.
Ma-ai - Distância, espaço, significa a distância / tempo que separa duas coisas. Existem três distâncias básicas em - Chika-ma curta distância, To-ma longa distância, e Issoku-Itto-No-Maai intermédia entre estas duas. Esta última significa, literalmente, distância de um passo/golpe.
Nuki - Esquiva.
Nuki-waza - Técnica evasiva. Geralmente consiste num passo atrás ou uma rotação destinada a esquivar um ataque, o que ocasiona que o mesmo encontre o vazio e com isto se aproveita o momento de equilíbrio do oponente para contra-atacar.
Donto - Respiração Normal.
Kokyu - Controlo respiratório. Respiração profunda que tem origem no Hara e que ativa o movimento do Ki. É a coordenação entre a respiração e o movimento, acumulando o Ki e dirigindo-o e redirecionando-o com o golpe ou técnica. Também chamado Yo-ibuki.
Nogare - Respiração. Faz-se inspirando pelo nariz e expirando (ibuki) pela boca.
Fukushi-kokyu - Prática de respiração e tensão abdominal.
Ibuki - Técnica respiratória sonora a partir do ventre que permite principalmente dominar a dor padecida depois de um atemi ou um hishigi.
Zanshin - Estado de alerta, guarda mental.
Sakki - Sede de sangue/ar de assassinato. Sensação negativa de agressividade. Sentimento instantâneo e intuitivo que tem um praticante de um Budo respectivamente à intenção agressiva de outra pessoa, e que permite contra-atacar antes, inclusive, que o adversário tenha tido tempo de decidir um ataque efetivo.
San-nen-goroshi - Técnica secreta que consiste em atingir o adversário de tal forma que a morte o encontra mais tarde (san-nen=3 anos). Esta técnica pertence mais ao domínio da lenda que da realidade, ainda que alguns traumatismos derivados de um Atemi podem deixar seqüelas que, em longo prazo, podem encurtar a vida normal de um individuo.
Samadhi - Concentração total, perfeita.
Sen-no-sen - Antecipação, iniciativa tomada durante um combate antecipando-se a este.
Go-no-sen - Percepção de um ataque em estado de espera.
Senken - Ataque executado antecipando-se ao de um adversário.
Shashin - Num combate, ou antes, deste abertura deliberada de um dos combatentes destinada a enganar o adversário.
Sahi-te - Mão que entra, técnica defensiva atacante.
Shimei - Ataque que pode chegar a ser mortal.
Shingitai - Valor triplo dos que alcançaram o grau de cinturão negro, sendo Shin o valor moral, o caráter, Gi o valor técnico, e Tai o valor físico. Estes três valores devem ir a par com os dois princípios básicos das artes marciais - o Seiryoku Zen yo ou utilização eficaz da energia e o Jitakyoei ou ajuda e cooperação mútuas, princípios extraídos do Bushido. O Yudansha que possui o Shingitai reúne em si mesmo o Céu (shin), a Terra (gi) e o Homem (tai). É então um homem completo.
Shin-gai-muto - o sabre não existe separado do espírito.
Shisei - Posição adotada por um combatente para a defesa ou contra-ataque. Pode ser natural ou defensiva.
Shobu - Antigamente combate até à morte (shinken-shobu) entre dois peritos em artes marciais.
Suki - Abertura, oportunidade no ataque.
Shinkaku - Ângulo cego. Ângulo que dificulta a combinação do ataque do adversário enquanto favorece o nosso.
Sukima - Vazio, estado de vácuo no momento do ataque para ter a resposta adequada de defesa e contra-ataque.
Suki-o-mitsukeru - Esperar e ver vir, atitude de um combatente que observa o seu adversário, à espera do momento propicio para atacar ou contra-atacar.
Tsukuri - consiste em pôr o oponente numa situação adequada para poder realizar a técnica que queremos.
Waza-o-korosu - Controlo da técnica. Ataca-se a técnica do adversário adivinhando as suas intenções, conhecendo os seus pontos fracos.
Yomi - Leitura. Arte de ler o pensamento de um adversário inclusive antes que este tenha tido tempo de idealiza-lo, e, em artes marciais, arte de poder prever assim um ataque. Este Yomi depende por sua vez do conceito de Ma-ai e do Hyoshi. É o equivalente do Ishin-den shin (de um espírito ao outro) que caracteriza as relações correntes entre japoneses, nas quais a palavra resulta-lhes freqüentemente inadequada para transmitir um sentimento difícil de precisar, e cuja expressão não está bem vista pela etiqueta nem pelos convencionalismos. É o ser com uma forma da verdadeira compaixão.
Zen-kwun-do - Técnica de combate cujo principal objetivo consiste em partir o braço ou a perna do adversário ao primeiro ataque. Há bloqueios especiais. Utilizam-se também os dedos nos olhos e na garganta.
Encho-sen - Prolongação do combate.
Ki - Energia vital que se concentra e nasce no Hara ou Saika-Tanden.
Kiai - Concentração da energia, expulsão do Ki acumulado mediante um grito. Também utilizado para paralisar o inimigo.
Kensei - Kiai em silêncio.
Kime - Concentração do Ki num ponto determinado.
Kimochi - Sentimento, sensação do Ki.
Kake-goe - Gritar para obter mais energia.
Hyoshi - Ritmo na execução de uma Kata ou técnica.

Outras palavras

Arashi - Tempestade.
Araso-u - Disputa.
Asahi - Sol. Levante.
Ase - Suar, transpirar.
Ada - Adversário.
Aite - Inimigo, adversário.
Banzai - 10.000 anos de felicidade.
Dai - Superior.
Sho - Inferior.
Gendai - tempo, idade, presente.
Dento - Tradicional, original, autêntico.
Ran - Guerra.
Hon - Origem, raiz, fundamento, lenda.
Chi - Sabedoria, prudência.
Seichushi - Samurai inteligente e leal.
Jotatsu - Progressos.
Make - Derrota.
Kashi - Vencedor.
Kaiso - Fundador.
Kaishi - Inaugurar, abrir, começar.
Kihaku - Espírito vigoroso.
Katai - Duro, rígido.
Yawarakai - Brando, relaxado, flexível.
Mamori - Proteção, defesa.
Mono - Alma.
Monogatari - História, conto.
Mon - Escudo, desenho.
Mugen - Infinito.
Satsui - Intenção de matar, assassinar.
Sei - Natureza, espírito autêntico, vida.
Seien - Estimulo, ajuda.
Jisei - Método.
Yugen - Habilidade misteriosa.
Chushin - Centro.
Shinpan - Juiz, arbitro.
Daki - Abraçar.
Gorei - Ordem.
Gokui - Limite extremo.
Gusuku - Castelo.
Yu-gei - Arte e cultura tradicional.
Wa - Paz.

KARATE-DO - Reflexões

KARATE-DO


1. Dojo versus Academia

Na atualidade, quando um estudante de Karate-dô se dispõe a ir treinar diz:

– Vou à “academia”; mas esta palavra “academia” é entendida de forma diferente se diz: – Vou ao “dojo”, posto que, em japonês, “dojo” é o lugar onde se realiza a Via, isto é, onde uma pessoa estuda a técnica de uma arte, ao mesmo tempo que forja seu caráter, controla e canaliza suas emoções e instintos e evolui como ser humano. Tudo isso utilizando como instrumento a técnica da arte que tenha sido escolhida. Entretanto, quando uma pessoa diz:

– Vou à “academia”, geralmente isso implica atividades ou atitudes lúdicas, recreativas ou hedonistas e, no melhor dos casos, buscam uma melhora da saúde ou da forma física. Portanto, uma vez meditado sobre estes dois termos , o estudante de Karate-dô, ou outra arte, poderá indagar-se por qual deles usar

Para um “budo-ka” ou artista marcial a escolha será clara, posto que, qualquer benefício realmente enriquecedor que possa ser obtido por meio das atividades de “academia, pode ser obtido amplamente através da prática de uma arte como o Karate-dô. Não obstante, o caminho ao invés não é possível, já que, qualquer arte do Budo comporta benefícios e entra em campos nos quais o desporto não tem cabida.

2. A atitude do estudante de Karatê-dô

Quando um estudante de Karate-dô chega ao dojo, deverá ter esclarecido que ali não só vai exercitar-se fisicamente, pois no treinamento, além do corpo deve incluir a mente e o espírito. Estes três fatores são indissociáveis e devem ser treinados de uma maneira integral; para isso é necessária a total atenção e concentração nos nossos atos; máxime quando deles pode depender a nossa vida ou a integridade física. É o que os mestres japoneses denominam o “Shingitai”.
O shingitai refere-se às três qualidades que devem manifestar os dans e kyus: shin (o espírito, o caráter), gi (técnica na arte praticada) tai (elementos corporais). Outra interpretação seria: shin (céu), gi (terra) e tai (homem); shingitai, reunir os três elementos. Esclarecimento: quando realizamos um gedan-barai é evidente que é uma ação física, mas, o realmente importante não é a ação muscular, mas sim a atitude e a intenção com a qual executamos a técnica, já que esta só será efetiva se realmente está envolvido todo o nosso ser. Como pode ser isto possível? Pensemos como é possível desenvolver técnicas eficazes, se durante a prática: nos distraímos e falamos com os colegas; se pensamos e ocupamos nossa mente em coisas alheias à prática; se esperamos com ansiedade as pausas ou descansos e além disso as desperdiçamos falando; se nos preocupamos por quanto falta para finalizar; se tememos que nos calhe um parceiro que trabalha muito forte; se pensamos -exteriorizando-o ou não, “uffa, outra vez este kata…”; se duvidamos da metodologia do Sensei (aquele que viveu) ou mestre e, em resumo, qualquer tipo de pensamento ou ação que nos afasta e distrai do sentido original da prática do budo. Por conseguinte, os estudantes deveriam adotar as seguintes normas:

a) Evitar as distrações e interrupções sem motivo justificado;
b) Realizar rapidamente e sem supérfluos comentários as mudanças de parceiro, para não romper a harmonia e o fluxo energético;
c) Retirar-se para um lado do tatame no caso de se sentir mal; voltando ao mesmo quando se sentir melhor;
d) Esperar as pausas (yame) ou os descansos (naore) para perguntar ao Sensei as dúvidas;
e) Pedir a autorização do Sensei para treinar e para sair da aula.

O estudante sincero em todo momento praticará com os cinco sentidos em cada gesto, em cada ação ou em cada uma das técnicas que realizar; com a idéia de ser esta a última vez que pratica a arte e querendo saborear cada momento, cada instante, cada gesto. Da mesma maneira, nos exercícios com parceiro ou com colegas dará com entusiasmo o melhor de si mesmo, com entrega e decisão em suas defesas e ataques; procurando a harmonia e o progresso mútuo. Para isso, um karate-ka ou praticante do budo deverá evitar as seguintes condutas ou atitudes. Praticar sem motivação e sem tentar superar-se dia–a-dia. Falar, distrair-se ou não estar atento durante a prática. Correr o risco de se lesionar ou magoar os colegas por satisfazer seu ego, por ira, raiva, temor, etc. Que o grau ou os êxitos desportivos não lhe subam à cabeça. Sentir-se superior ou mais qualificado que outros colegas. Fazer-se notar, presumir ou alardear de proezas, etc. Tratar de impor critérios pessoais, até sabendo que não são os do Sensei. Questionar ou discutir os ensinamentos do Sensei ou alardear disso publicamente. Subestimar os outros para ser ele superior. Criar inimizade entre os colegas ou entre as pessoas. Falar mal ou criticar outras artes do budo ou seus praticantes. Questionar os conhecimentos ou a destreza do Sensei, do Sempai ou de outros colegas. Dar opinião ou criticar acerca dos graus ou cintos concedidos pelo Sensei aos outros estudantes. Abusar da confiança do Sensei ou dos outros colegas. Ser violento, egoísta, orgulhoso, vaidoso ou mal intencionado.

Em resumo, seria muito de desejar que os estudantes se entregassem ao máximo nas aulas, como se sua vida disso dependesse; mas sempre com o domínio físico e emocional que dá o bom senso. Além disso, em todo momento dará atenção a manter à raia as debilidades, defeitos ou tentações que quotidianamente nos espreitam, esperando ver uma abertura no nosso kamae
(guarda), metaforicamente falando. Outro aspecto, e o mais importante de todos segundo o Mestre Gichin Funakoshi: é que o Karate-dô pode e deve ser praticado durante todo o dia e isto é possível sendo plenamente conscientes de nossos atos em todo momento. Por exemplo: treinando nossa respiração; com a postura corporal correta; com a nossa atitude com relação aos outros; com a atenção ao meio e, em síntese, enfrentando os problemas quotidianos com espírito de Karate-dô.

3. “Reigisaho”: O Protocolo Ou Cerimonial Do Budô

As vezes, devido ao trato do dia-a-dia, a amizade mal entendida, a um excesso de confiança; ou simplesmente por desconhecimento, o Reigisaho ou normas de conduta no dojo é mal interpretado e pior utilizado. São exemplos claros disto: não saber comportar-se num tatame, relaxar os modais, não guardar a compostura adequada, falta de pontualidade na aula e falta de seriedade e responsabilidade na prática. Estas más atitudes degeneram numa falta de respeito e de consideração com o Sensei, com os colegas e consigo mesmo. Sendo situações pouco desejáveis que podem derivar em negligência, informalidade e adulteração dos valores do budo. Por isso, os alunos devem entender que, ainda que por vezes o Sensei não lhes chame a atenção direta ou explicitamente, isto não quer dizer que o comportamento incorreto do estudante passe sem ser visto ou não interesse ao Sensei. Por isso, os Sempai ou estudantes mais avançados devem guiar, aconselhar e corrigir os Kohai (principiantes) para que estes não se confundam na atitude. Além disso, deve ensinar-se aos neófitos que após muitos anos de prática é normal que os mais veteranos obtenham pequenos benefícios ou licenças para com o Sensei, ainda que isto supõe também um grande compromisso com ele e obrigações com a prática. A forma correta de dirigir-se a um Sensei é inclinar-se respeitosamente ao cumprimentar (rei), o qual ele nos retribuirá solicitamente. Quando ele pergunta se percebemos uma explicação, para responder afirmativamente pronunciamos o vocábulo OSS, o qual serve para: afirmar, saudar, animar, motivar, como agradecimento, etc. Outro componente importante no reigisaho ou cerimonial do budo, são os cumprimentos (rei); os quais, longe de ser normas de submissão ou submetimento dos estudantes menos avançados, são umas excelentes normas de cortesia, respeito ou agradecimento, e também agem incentivando e favorecendo a atenção e a atitude adequada. Quando um estudante chega ao limiar da entrada do dojo (tatame) e a aula ainda não começou, ou seja, sendo pontual, deve cumprimentar na direção do kamiza, lugar de honra destinado às fotografias dos fundadores da arte ou do estilo, a símbolos e bandeiras, etc. Esta saudação é uma demonstração de agradecimento aos fundadores da arte e por sua vez lembra-nos a humildade e simplicidade do estudante. Se a aula já deu começo, situamo-nos num lugar onde o Sensei possa ver-nos, sentados em seiza ou em pé, se é hábito, e esperamos sua autorização para depois realizar o cumprimento ao kamiza e ao Sensei. Após isto, situamo-nos no lugar do dojo em que menos interrompemos e procedemos a aquecer em silêncio e sem interferir na aula. Uma vez finalizado o aquecimento, dirigimo-nos ao Sensei e integramo-nos na aula. Existem outros aspectos tais como a hierarquia: “Sensei-Sempai-Kohai”.
Sempai vem a significar “irmão mais velho no Karate-dô” e sua missão é colaborar com o Sensei, ajudando e aconselhando os mais principiantes na prática da arte.
Kohai é indicativo dos alunos principiantes ou de menor grau. Os Sempai são de maior hierarquia conforme sua antigüidade e/ou grau, apesar de pode dar-se o caso de que um Sempai deixe de fazer exames de “dan” por
causas alheias à sua vontade ou bem por motivos justificados. Neste caso, se o Sempai continua com uma prática sincera e exigente, terá mais categoria que outros estudantes com menos tempo de prática que tenham sido promovidos mais rapidamente e a mesma que seus contemporâneos ou colegas de promoção. De qualquer maneira, este é um assunto delicado e em caso de dúvidas fica a critério do Sensei. A disposição nos cumprimentos ou cerimonial: ao começo e no final da aula o Sensei se situa dando de costas para o kamiza, o Sempai de maior hierarquia de frente para o kamiza e à esquerda do Sensei, os outros estudantes a seguir ao Sempai, situados de maior a menor categoria. O Sempai de maior hierarquia é o encarregado de dirigir os cumprimentos ou cerimonial, de velar pela organização das filas e da disciplina geral. Em ausência do “Sempai maior” seu lugar será ocupado pelo seguinte na hierarquia. Frente ao Kamiza -no lado oposto- encontra-se o Shimoza, lugar reservado para os estudantes, de onde estes cumprimentam o Sensei. À esquerda do Kamiza encontra-se o Shimoseki ou lado dos alunos de menor categoria, e à direita o Joseki, destinado aos alunos de mais alto grau. Ou seja, para cumprimentar, os alunos situam-se de maior a menor grau, desde o Joseki até o Shimoseki. Enquanto à atitude nos cumprimentos (rei): O cumprimento deve ser sincero, pois do contrário seria melhor não o fazer. Ainda que sincero e humilde, o cumprimento não deve estar desprovido da máxima atenção, já que no budo o nível de alerta nunca desce. Também é um bom hábito que no momento de finalizar um exercício com um colega/s e ao mesmo tempo que realizamos o cumprimento, agradeçamos verbalmente. Outro aspecto importante a destacar, é que se um Sempai se encontra dando a aula por delegação do Sensei e em ausência deste; no suposto que um Sempai de maior hierarquia se integre na aula, fá-lo-à como um praticante a mais, ou então situa-se num lado da sala, praticando sem interferir na aula. Outra questão é que o Sempai ou professor em funções considere mais apropriado oferecer ao Sempai de maior hierarquia a direção da aula, bem por própria decisão ou por connhecimento das preferências do Sensei. “Mas esta não é uma regra fixa ou uma obrigação”.

4. Termos e Vozes básicas no Karate-do.

Vozes utilizadas nos cumprimentos ou cerimonial de Karate-dô:
a) Mokuso: Concentração, meditação;
b) Mokuso Yame: Fim da concentração.
c) Oss: Expressão fonética, formada por dois caracteres. O primeiro “osu” significa literalmente “empurrar” ou “controlar”. O segundo carácter “shinobu” tem o significado literal de "paciência, agüentar, sofrer";
d) Otagai ni rei: Cumprimento mútuo (entre os alunos);
e) Ritsu rei: Cumprimento em pé;
f) Sensei ni rei: Cumprimento ao Mestre;
g) Sempai ni rei: Cumprimento ao/s Sempai/s;
h) Somen ni rei: Cumprimento em frente (kamiza);
i) Tate: Pôr-se em pé;
j) Zarei: Cumprimento desde Seiza (sentado sobre os calcanhares).

Termos mais usuais na prática de Karate-dô:
a) Bunkai: Aplicação das técnicas e movimentos de um Kata.;
b) Hajime: Começar;
c) Kamae: Atitude e postura de alerta ou guarda;
d) Kata: Forma, conjunto de técnicas codificadas;
e) Kihon: Fundamentos técnicos.
f) Kihon-kumite: Exercícios de combate, já estabelecidos entre dois karate-kas;
g) Kumite: Encontro, combate;
h) Mawate: Rotação, mudança de direção;
i) Naore: Recuperar a posição original, pausa ou descanso;
j) Yame: Parar;
k) Yoi: Prontos, preparados;
l) Zanshin: Vigilância; é a ideia de manter um estado de máxima atenção até que realmente pára a ação ou não existe perigo.

KARATE - EXAME DE NÍVEL SUPERIOR (FAIXA PRETA)

INTRODUÇÃO
O que diferencia o Karatê-Dô de outras modalidades de luta é exatamente os princípios filosóficos, herança dos Mestres do passado, e que é o pedestal do espírito do Karatê.
O professor Funakoshi Guinchin (1868 – 1955), considerado o pai do Karatê Moderno, recebeu ensinamento de vários mestres que seguiam os princípios filosóficos do Budô, tendo deixado como herança comportamental do karateca o Karatê Nijukkun, ou seja, 20 princípios fundamentais do espírito do Karatê, coisa que o karateca tem a obrigação de conhecer e praticar para se considerar como tal.

As cinco normas pessoais do Mestre Funakoshi para entender o Karatê-Dô são:
1. “Deves ser absolutamente sério no treinamento”;
2. “Treinar entregando-se de corpo e alma sem preocupar-se com a teoria”;
3. “Evitar a vaidade e o dogmatismo”;
4. “Tratar de ver-se como realmente és, e imitar o que você vê de mérito nos trabalhos dos outros”;
5. “Praticar as normas éticas na sua vida diária, tanto em público quanto no privado”.

Através da longa prática das normas acima descritas, o mestre elaborou os vinte princípios:
I. “O Karatê começa e termina com o cumprimento”: Símbolo do respeito mútuo. O cumprimento também é um símbolo de cortesia e gratidão ao professor; ao fundador; ao Dojô; aos praticantes e ao próprio Karatê. Tudo isso nos tornará mais sociáveis e serviremos melhor a sociedade.
II. “Nunca se faz o primeiro ataque no Karatê (Karatê Ni Sente Nachi)”: Essa frase se encontra na lápide do prof. Funakoshi e quer dizer que o Karatê não é um meio de ferir e nem provocar danos.
III. “O Karatê é retidão”: A intenção deve ser boa; deve ser justa.
IV. “Conheça a si mesmo para conhecer os outros”: Devemos conhecer os nossos pontos fortes e fracos.....Assim, conheceremos aos outros.
V. “No Karatê o espírito é mais importante que a técnica física”: O desenvolvimento físico tem limites, enquanto o mental não o tem. KI SHIN TAI, expressa a necessidade de uma boa união entre espírito, mente e corpo para o desenvolvimento do karateca.
VI. “O Karatê é lealdade e espontaneidade”: O espírito e a mente devem ser inalteráveis, junto com um coração limpo, fará com que as intenções se apresentem sem medos nem temores, e nossas reações e ações serão boas e adequadas a cada momento.
VII. “O Karatê ensina que as adversidades golpeiam quando há desistência”: Caiu sete vezes, levanta oito. Nunca desistir.
VIII. “O Karatê não se vive somente no Dojô”: O Karatê deve ser uma forma de vida, deve estar no nosso pensamento sempre; é um modo de comportamento correto; uma forma de ser e agir; um conjunto de valores e intenções. Deve pensar com o espírito do Karatê em qualquer coisa da vida.
IX. “O Karatê é uma norma para toda vida”: O objetivo do Karatê não está em chegar, mas sim percorrer o caminho. O Karatê é um caminho e não um fim, por isso, não se trata de chegar em nenhum lugar. Desta maneira, desfrutaremos o Karatê até o último minuto da nossa vida.
X. “O Karatê toma como exemplo a natureza”: A potência é a estabilidade das montanhas; a adaptabilidade dos canaviais enfrentando os ventos; a mudança de direção das águas enfrentando as pedras para seguir avançando; o deslocamento dos animais, seus ataques. O culto do Karatê com a natureza, tanto físico quanto espiritual. A natureza é sábia, nos ensina tudo, se quisermos aprender.
XI. “O Karatê é como água fervente, se o fogo abaixa, ela esfria”: Os valores internos espirituais não devem sofrer variações. Uma vez entendido o Karatê na sua profundidade, deve ser mantido com o fogo da alma.
XII. “O karatê não é vencer, mas a idéia de não perder”: Não devemos temer o adversário por sua reputação ou força; respeitá-lo sim; tomar precauções sim, porém aceitar a derrota antes da luta, não. Que ele nos derrote, porém não nos derrotemos sozinhos. Pensar em ganhar, com a precaução e não com excesso de confiança.
XIII. “A atitude em função do inimigo”: Devemos estudar o adversário e agir conseqüentemente. Segundo a estatura, corpulência, movimentação, velocidade, intenção, etc. Conforme o nosso nível e condições, devemos agir inteligentemente e enfrentá-lo. A estratégia e a tática servem para qualquer tema da vida.
XIV. “O segredo do combate está em diferenciar o verdadeiro do falso”: Continuamente recebemos estímulos, ataques verdadeiros e falsos. Devemos saber diferenciar, através da nossa intuição e experiência, como contra-atacar. Devemos impor a nossa tática; devemos dirigir e não ser dirigidos.
XV. “Moldar o corpo transformando-o em uma arma”: Encontrar o adversário com dignidade e derrotá-lo com força.
XVI. “Quando sais de casa, um milhão de inimigos te esperam”: Muitos são os perigos que nos circundam, deve-se estar sempre alerta e atento. Lembrar que qualquer negligência pode levar ao fracasso.
XVII. “O Karateca mantém sempre a posição de guarda (kamae). A posição natural Shizentai é para os níveis adiantados”: No princípio o Kamae é a posição adotada pelos principiantes, sendo forte e concentrada. A posição Shizentai (natural) é mais rápida, permite movimentos mais lógicos e naturais, mas depois de muito treinamento.
XVIII. “O kata é o aprimoramento do estilo, o kumite é diferente”: O Kata desenvolve certas qualidades para o combate, porém são coisas diferentes. O kata tem personalidade por si mesmo, no kata a distância entre dois oponentes (ma-ai) e a agressão não existe.
XIX. “Não parar de variar ritmos e técnicas”: Como o arco, o karateca deve ter contração, expansão, velocidade, relaxamento, concentração e suavidade. Variando continuamente será mais difícil que percebam as nossas intenções. Se surpreendermos continuamente, tudo nos será mais fácil.
XX. “O espírito deve sempre almejar o nível mais alto”: Devemos nos adaptar as coisas para superar os desafios. Nunca procure as coisas fáceis, construa-se com cimento forte (kihon).


REQUISITOS
• OS CANDIDATOS DEVEM ESTAR FEDERADOS E CONFEDERADOS, CONFORME C.L.K.
• APRESENTAR CURRÍCULUM VITAE (PROFISSIONAL E ESPORTIVO).
• OS EXAMES SERÃO PRÁTICOS E TEÓRICOS.
• O CANDIDATO DEVERÁ ALCANÇAR A MÉDIA MÍNIMA DE 60 PARA SER APROVADO.

1. TEÓRICO (Oral)
Questões gerais sobre:
a) Princípios Filosóficos do Karatê;
b) História Geral do Karatê;
c) Desenvolvimento Técnico, conforme o estilo do praticante;
d) Karatê Marcial;
e) Karatê Esportivo.
2. PRÁTICO:
A prova prática será dividida em três fases na qual o candidato deverá apresentar proficiência psicofísica própria do Karatê.

a) Kihon:
 O número máximo de candidatos em cada apresentação será de até três karatecas;
 Os movimentos serão de no mínimo três passos com a característica de cada estilo de karatê;
 As técnicas fundamentais constantes do Programa devem ser executadas em sucessão, mantendo constantemente o grau de concentração em todo o tempo de execução, conservando o mesmo nível de equilíbrio, potência (kime), atitude geral, velocidade e fluidez de deslocamento entre uma posição e outra.

b) Kata:
 O kata deverá ser apresentado individualmente.
 Na execução do kata a valências psicofísicas do kihon continuam sendo avaliadas, mas a exatidão do kata apresentado, o ritmo, o zanshin, a respiração apropriada, o kiai e a compreensão realista do kata (bunkai).

c) Kumite:
 O kumite deve ser enfrentado pelos candidatos com espírito de lealdade, demonstrando também nesta fase os princípios espirituais que se encontram na base do karatê, nenhuma técnica deve ser executada com a intenção de ferir o adversário.
 Será observada a agilidade, o tempo e a distância correta quando da execução de um ataque, o controle dos golpes, o espírito de luta, o zanshin e o vigor físico.
 No kumite os candidatos poderão escolher entre três tipos de kumite:
 Jiu Ippon Kumite (Yakussoku Kumite)
 Shiai Kumite
 Jiu Kumite

Jiu Ippon Kumite (Yakussoku Kumite) –
 A distância entre os karatecas é livre, bem como o tempo de execução do ataque, em que se deverá somente anunciar o nível (jodan ou tchudan);
 As execuções dos ataques deverão ser efetuadas com potência, velocidade, equilíbrio de postura e com o máximo controle do membro que deu o golpe;
 Os ataques deverão ser executados sempre dando um passo à frente com a perna posterior, tanto de esquerda como direita;
 Os ataque são limitados as seguintes técnicas: oizuki jodan e tchudan, mae gueri, yoko gueri, mawashi gueri, ura mawashi gueri, ushiro gueri e uraken uchi.
 O atacante, executada a técnica, deverá esperar o contra-ataque do adversário, mantendo uma postura estável, sobre tudo conservando um espírito atento e preparado, como se ele pudesse executar novos ataques;
 O defensor deve demonstrar uma defesa de base e dar um contra-ataque apropriado conforme a distância, com força igual ao ataque recebido, concentrando-se no braço que está no flanco (ikite) se o contra-ataque for de braço;
 O defensor de forma alguma deve antecipar o ataque (de-ai) do oponente, devendo esperar a execução avisada.

Shiai Kumite –
 Os candidatos ao Shiai Kumite devem requisitar o questionário de arbitragem da C.B.K. previamente e entregar respondido antes da prova prática;
 Técnicas permitidas: Regulamento da W.K.F.;
 A prova constará de cinco combates arbitrados com duração de 1 minuto cada combate, conforme o resultado dos combates a banca decidirá a proficiência do candidato.

Jiu Kumite –
 A prova de Jiu Kumite constará de cinco combates com duração de 1 minuto cada;
 As técnicas permitidas são todas as técnicas de karatê;
 O controle das técnicas é quesito fundamental;
 O combate deve ser enfrentado com a plena convicção de respeitar a capacidade técnica, a dignidade pessoal e integridade física, não devendo enfrentar o adversário com a intenção de prevalecer no plano físico, demonstrando uma força bruta, devendo, sim, demonstrar uma forma técnica e psicológica que é o resultado de um bom treinamento de karatê;
 A banca decidirá a proficiência do candidato.

KIHON

SHODAN
Posição de Partida Esquerda (PPE)

1. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – SANBON ZUKI.
2. (PPE) Zenkutsu Dachi: Recuando – AGUE UKE com GUIAKU ZUKI.
3. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – UCHI UKE seguido de KIZAMI ZUKI e GUIAKU ZUKI.
4. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – SOTO UKE seguido de YOKO EMPI com SHOMEN URAKEN UCHI e GUIAKU ZUKI. (Posições: ZENKUTSU, KIBADACHI, ZENKUTSU).
5. (PPE) Kokutsu Dachi: Avançando – SHUTO UKE seguido de GUIAKU NUKITE em ZENKUTSU DACHI.
6. (PPE) Kokutsu Dachi : Recuando – SHUTO UKE mais KIZAMI GUERI seguido de GUIAKI NUKITE.
7. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançar executando – GUEDAN BARAI em KIBA DACHI seguido de GUIAKU ZUKI em ZENKUTSU DACHI (fazer o mesmo movimento recuando). (Posições: KIBADACHI E ZENKUTSU DACHI).
8. (PPE) Zenkutsu Dachi: RENGUERI (chutes consecutivos) – Alternando as pernas, executar MAE GUERI KEKOMI seguido de MAE GUERI KEAGUE (3 vezes).
9. (PPE) Zenkutsu Dachi: Executar com a mesma perna – MAE GUERI seguido de MAWASHI GUERI.
10. (PPE) Zenkutsu Dachi: Executar com a mesma perna – MAWASHI GUERI seguido de YOKO KEKOMI.
11. (PPE) Zenkutsu Dachi: Alternando as pernas, executar – YOKO GUERI KEAGUE seguido de USHIRO GUERI.
12. (PPE) Zenkutsu Dachi: Executar – MAE GUERI, YOKO GUERI, MAWASHI GUERI, USHIRO GUERI, concluindo com GUEDAN BARAI seguido de GUIAKU ZUKI (com a posição de partida uma vez a esquerda e na outra a direita).

NIDAN

O MESMO KIHON DE SHODAN (A CRITÉRIO DA BANCA) MAIS OS ÍTENS ABAIXO DESCRITOS:

1. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – KIZAMI ZUKI com GUIAKU ZUKI e AGUE EMPI.
2. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – KIZAMI ZUKI com GUIAKU ZUKI e MAE EMPI.
3. (PPE) Kokutsu Dachi com Tchudan Uchi Uke: Executar no lugar – GUIAKU ZUKI passando para a posição ZENKUTSU DACHI, avançar com MAE GUERI e executar outro GUIAKI ZUKI. Reassumir a posição KOKUTSU DACHI com TCHUDAN UCHI UKE. (Posições: KOKUTSU, ZENKUTSU, KOKUTSU - Executar a seqüência 3 vezes – Ida e volta).
4. (PPE) Zenkutsu Dachi Guedan Barai: Avançar – OIZUKI TCHUDAN mais GUIAKU ZUKI. No mesmo lugar - mudar a posição para KOKUTSU DACHI com TCHUDAN SHUTO UKE, executar um GUIAKU ZUKI passando para a posição ZENKUTSU DACHI e finalizando com GUEDAN BARAI. (Posições: ZENKUTSU, KOKUTSU, ZENKUTSU – Executar a seqüência 3 vezes – Ida e volta).

SANDAN

O MESMO KIHON DE SHODAN E NIDAN (A CRITÉRIO DA BANCA) MAIS OS ÍTENS ABAIXO DESCRITOS:

1. (PPE) Zenkutsu Dachi: Avançando – SOTO UKE, GUIAKU ZUKI mais URAKEN UCHI(com o braço que executou o soto uke). (Três vezes – ida e volta)
2. (PPE) Kokutsu Dachi: Avançar – SHUTO UKE, KIZAMI GUERI, GUIAKU NUKITE (em zenkutsu dachi), executar um SHUTO UCHI JODAN e um GUIAKU SHUTO UCHI JODAN. (três vezes – ida e volta)
3. SHIHO GUERI – (PPE) Hachi Dachi – Avançar com MAE GUERI (esquerda) assumindo a posição ZENKUTSU DACHI. Executar um YOKO GUERI KEKOMI com a perna direita, assumindo a posição KIBA DACHI. Mantendo está posição, executar um YOKO GUERI KEKOMI com a perna esquerda, partindo da mesma posição. Executar um USHIRO GUERI com a perna direita, assumindo a posição ZENKUTSU DACHI. Concluir com a perna direita avançando com MAWASHI GUERI, assumindo a posição ZENKUTSU DACHI. Dar meia volta (mawa-te) e repetir do outro lado.
4. SHIHO EMPI UCHI (cotoveladas nas quadro direções) – (PPE) Zenkutsu Dachi (guedan barai): Avançar – AGUE EMPI (Zenkutsu Dachi) , no mesmo lugar executar um GUIAKU MAE EMPI com o braço esquerdo, deslocar-se para a esquerda em Kiba Dachi executando com o mesmo braço um YOKO EMPI, deslocar-se para a direita em Kiba Dachi e executar outro YOKO EMPI com o braço direito, recuar a perna esquerda e assumindo a posição KOKUTSU DACHI executar um USHIRO EMPI com o braço esquerdo empurrando o punho com a mão direita. Executar a sequência do outro lado e na conclusão girar em Guedan Barai após executar AGUE EMPI e GUIAKO MAE EMPI. Executar novamente o jogo completo e chegar no ponto de partida novamente. (três vezes – ida e volta)

YONDAN

O MESMO KIHON DE SHODAN, NIDAN E SANDAN (A CRITÉRIO DA BANCA), MAIS OS ÍTENS ABAIXO DESCRITOS:

1. (PPE) – Zenkutsu Dachi: avançar – MAE GUERI e MAWASHI GUERI com a mesma perna, desce com URAKEN UCHI e GUIAKU ZUKI. (três vezes – ida e volta)
2. (PPE) – Zenkutsu Dachi: avançar – MAWASHI GUERI e YOKO GUERI KEKOMI com a mesma perna, descendo em Kiba Dachi, seguindo com YOKO KENTSUI UCHI e GUIAKU ZUKI em Zenkutsu Dachi. (Posições: Zenkutsu, Kiba Dachi e Zenkutsu). (três vezes – ida e volta)
3. (PPE) – Zenkutsu Dachi Guedan Barai – avançar com URA MAWASHI GUERI e com a mesma perna executar um MAWASHI GUERI descendo com SHUTO UCHI JODAN seguido de um GUIAKO SHUTO UCHI. (três vezes – ida e volta)

GODAN

O MESMO KIHON DE SHODAN, NIDAN, SANDAN E YONDAN (A CRITÉRIO DA BANCA), MAIS OS ÍTENS ABAIXO DESCRITOS:

1. (PPE) – Zenkutsu Dachi (guedan barai): avançar – KIZAMI ZUKI JODAN (zenkutsu dachi), no lugar executar um GUIAKU ZUKI TCHUDAN e KIZAMI ZUKI JODAN, no mesmo lugar, com o braço direito, executar um URAKEN UCHI, seguido de GUIAKU ZUKI e AGUE EMPI com o braço direito. (três vezes – ida e volta)
2. (PPE) – Zenkutsu Dachi (guedan barai): avançar – AGUE UKE, no lugar executar um SOTO UKE TCHUDAN (esquerda), um GUEDAN BARAI (direita), TCHUDAN UCHI UKE (esquerda) invertendo os quadris (posição guiaku hanmi), no lugar executar um KIZAMI ZUKI JODAN (em zenkutsu dachi) seguido de um GUIAKU ZUKI TCHUDAN. (três vezes – ida e volta)
3. (PPE) – Zenkutsu Dachi (guedan barai): recuar com AGUE UKE, avançar com MAWASHI GUERI, descer com URAKEN UCHI mais GUIAKOZUKI, avançar em ZENKUTSU DACHI com KIZAME ZUKI mais GUIAKOZUKI e AGUE EMPI com o braço que aplicou o Kizame Zuki. (três vezes – ida e volta)
KATA

SHODAN

1. Apresentar um Kata de base, que será sorteado entre os katas básicos característicos de cada estilo.
2. Apresentar um Kata superior, escolhido entre os katas obrigatórios da W.K.F.:
Shotokan - KANKU DAI E JION
Goju-Ryu - SEIPAI E SAIFA
Shito-Ryu - SEENTIN E BASSAI-DAI
Wado-Ryu - SEISHAN E CHINTO
3. A critério da banca apresentação de Bunkai realista do kata.





NIDAN


1. Um Kata sorteado entre os Katas (shitei) obrigatórios da W.K.F.:
Shotokan - KANKU DAI E JION
Goju-Ryu - SEIPAI E SAIFA
Shito-Ryu - SEENTIN E BASSAI-DAI
Wado-Ryu - SEISHAN E CHINTO
2. Um Kata superior de livre escolha (Tokui) da lista da W.K.F.
3. A critério da banca apresentação de Bunkai realista do Kata.

SANDAN

1. Apresentar os dois Katas (Shitei) obrigatórios da W.K.F.:
Shotokan - KANKU DAI e JION
Goju-Ryu - SEIPAI e SAIFA
Shito-Ryu - SEENTIN e BASSAI-DAI
Wado-Ryu - SEISHAN e SHINTO
2. Um Kata superior de livre escolha (Tokui) da lista da W.K.F.
3. A critério da banca apresentação de Bunkai realista do kata.

YONDAN

1. Apresentar os dois Katas (Shitei) obrigatórios da W.K.F.:
Shotokan - KANKU DAI E JION
Goju-Ryu - SEIPAI E SAIFA
Shito-Ryu - SEENTIN E BASSAI-DAI
Wado-Ryu - SEISHAN E CHINTO
2. Dois Katas superiores de livre escolha (Tokui) da lista da W.K.F do estilo do candidato.
3. Um Kata de livre escolha, diferente do estilo do candidato, escolhido entre os Shitei katas.
4. A critério da banca apresentação de Bunkai realista do kata.

GODAN

1. Apresentar os dois Katas (Shitei) obrigatórios da W.K.F.:
Shotokan - KANKU DAI E JION
Goju-Ryu - SEIPAI E SAIFA
Shito-Ryu - SEENTIN E BASSAI-DAI
Wado-Ryu - SEISHAN E SHINTO
2. Dois Katas superiores de livre escolha (Tokui) da lista da W.K.F. do estilo do candidato.
3. Dois Katas de livre escolha, diferente do estilo do candidato, escolhido entre os Shitei Katas.
4. A critério da banca apresentação de Bunkai realista do kata.

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.