quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Londrina - O Bosque e os ônibus urbanos - História


O Bosque e os ônibus urbanos

Os colonizadores ingleses, ao projetarem o traçado inicial de Londrina, preservaram um pequeno pedaço de mata nativa original, nas duas quadras ao sul da igreja matriz, que foi denominado Bosque Mal. Cândido Rondon, mas que ficou conhecido pela população simplesmente como o Bosque.
O Bosque era atravessado ao meio pela Rua Piauí, e nesse trecho da rua, junto ao Bosque, foi instalado o ponto central dos ônibus urbanos de Londrina. Na foto acima, pode-se ver os ônibus da VUL - Viação Urbana Londrinense, estacionados no Bosque, por volta de 1961, com um ônibus Nicola em primeiro plano, à esquerda, e dois ônibus Caio, à direita.

Londrina já possuía ônibus urbanos desde a década de 1940, mas uma grande crise afetou a empresa concessionária Fatore Simone & Lira, em 1958, que entrou em insolvência e abandonou o serviço.
 
Na foto acima, vemos um dos primeiros ônibus da VUL passando pela Avenida Paraná, em frente ao Edifício América ("Relojão"), ainda em construçao, no início de 1959.

O grupo empresarial Irmãos Lopes aceitou o desafio de assumir a operação dos ônibus urbanos em Londrina, no dia 21 de setembro de 1958, criando a VUL - Viação Urbana Londrinense, que começou a operar inicialmente cinco linhas, todas ligando alguns bairros ao centro da cidade.
O ponto central era o Bosque. Os primeiros ônibus eram modelos Nicola e Caio, que foram pintados de vermelho e amarelo, e que permaneceu com poucas mudanças até meados dos anos 1970.
As dificuldades eram muitas. O quadrilátero central possuía ruas pavimentadas, em paralelepípedos, mas a maioria dos bairros tinha ruas não pavimentadas, e frequentemente os ônibus não conseguiam circular nos dias de chuva.
Na foto acima, pode-se ver dois ônibus na hora do "rush", trafegando pela Rua Maestro Egídio Camargo do Amaral, em direção ao Bosque, no final dos anos 60.
Como a maioria da população de Londrina morava na zona rural, os Irmãos Lopes também criaram uma empresa que ligava os distritos à sede do município, a Viação Londrinense, complementando o serviço de ônibus urbanos. Os ônibus da Viação Londrinense chegaram a outras cidades da região, e na foto abaixo pode-se ver um deles na rodoviária de Maringá.
As linhas radiais iniciais foram depois substituídas por linhas diametrais, que ligavam um bairro a outro, passando pelo Bosque, no centro. Entre as diametrais, pode-se citar as linhas Brasil-Recreio, Europa-Alvorada, Aeroporto-Cacique, Skol-Santa Rita, Valdemar Hauer-Shangri-lá, Yara-Higienópolis, Nova-Ipiranga e outras.
 
Na foto acima, dos anos 70, um ônibus Nicola, da VUL, trafega em direção ao Bosque (foto: cartão postal da época).

Com o passar do tempo, o terminal do Bosque ficou saturado, e foi necessário duplicar a rua no trecho, possibilitando o embarque e o desembarque em quatro "plataformas" cobertas. Durante a reforma, os ônibus passaram a operar ao lado da Catedral.

A integração das linhas, com o pagamento de uma única passagem, só se tornou possível em 1988, com a construção do Terminal Urbano de Passageiros, que reintroduziu as linhas radiais, mas com integração no centro.

Com a saída dos ônibus do Bosque, os pontos de ônibus foram demolidos, o Bosque foi cercado por uma grade em toda a sua extensão, e a Rua Piauí foi interrompida ao tráfego no trecho. O pequeno "zoológico" que existia no Bosque, do lado Sul, e que abrigava uma coleção de animais como antas, pavões, tartarugas, araras e macacos-prego, foi demolido.
O espaço ficou decadente por muito tempo, e ainda carece de melhorias, embora a administração municipal tenha implantado uma pista de caminhadas e alguns aparelhos fixos de ginástica, como se pode ver na foto acima, que era o trecho onde os ônibus paravam, antigamente.

Nenhum comentário:

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.