quinta-feira, 29 de outubro de 2015

China derruba a política do filho único depois de mais de 30 anos

Agora, os casais estão autorizados a ter até dois filhos. Boa parte deles, no entanto, não quer saber de mais crianças


REDAÇÃO ÉPOCA
29/10/2015 - 12h48 - Atualizado 29/10/2015 13h13

Uma mãe com o filho em Pequim - a taxa de natalidade na china desabou ao longo dos anos 1990 (Foto: Ed Jones/AFP)
governo chinês decidiu revogar a política do filho único, e permitir que cada casal tenha até dois filhos. A medida foi anunciada nesta quarta-feira (29) pelo Partido Comunista. Criada em 1979, a política do filho único sofreu pesadas críticas ao longo da última década. Inicialmente, seu objetivo era conter a rápida expansão populacional do país, e impedir que os chineses chegassem a 1,7 bilhão de pessoas – hoje, eles são 1,3 bi. Ela deixou de fazer sentido nos últimos anos, quando acelerou o envelhecimento da população chinesa. Desde 2010, o PC chinês fala na flexibilização do controle demográfico. Especialistas argumentam que a política foi cruel, ineficaz e, agora, ameaça a prosperidade da economia chinesa.

>> A política de filho único ameaça deixar a China velha antes de ficar rica

Implementar a política do filho único exigiu que o governo criasse mecanismos para punir casais desviantes. Os pais que quisessem ter uma segunda criança pegavam multas pesadas, que variavam conforme a região do país – em Xangai, o valor girava em torno de US$17 mil em 2013. Além disso, burocratas do governo forçavam abortos em estágios avançados da gravidez. Em 2013, chocou o mundo a imagem de uma mãe forçada a abortar no sétimo mês de gestação.

>> China cresce 6,9% no terceiro trimestre, pior desempenho desde 2009

Demógrafos chineses também afirmam que a política teve pouca relevância para deter o avanço populacional chinês. Para eles, a prosperidade econômica – que tornou as pessoas mais esclarecidas e levou as mulheres para o mercado de trabalho – contribui mais para evitar nascimentos. Segundo o G1, pesquisas recentes mostraram que o número de chineses interessados em ter um segundo filho ficou abaixo do esperado pelas autoridades.

A política também gerou impactos econômicos. Em 2012, pela primeira vez na história, caiu a população economicamente ativa da China – com menos nascimento, e menos gente nascendo, cai o número de pessoas em idade para trabalhar no país. A taxa de natalidade chinesa é de 1,2, muito abaixo do nível de reposição, o que tem efeitos na economia, como ÉPOCA contou nessa reportagem de 2013. Há outro efeito colateral – os homens solteiros chineses não encontram mulheres para casar. Como os casais chineses preferiam meninos  - recorrendo, inclusive, ao infanticídio das garotas – há muito mais homens que mulheres.
RC
Fonte: http://epoca.globo.com/tempo/filtro/noticia/2015/10/china-derruba-politica-do-filho-unico-depois-de-30-anos.html

Nenhum comentário:

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.