quinta-feira, 26 de agosto de 2010

PACIÊNCIA

Paciência, uma virtude difícil de colocar em prática

Faça um teste e descubra qual o seu perfil: zen, ponderado ou pavio curto?


MAUREN RIGO
Considerada uma das sete virtudes da humanidade, a paciência é uma boa arma para enfrentar a rotina alucinada. O problema é que, embora a gente saiba muito bem o que ela significa, muitas vezes não conseguimos colocá-la em prática. Nem quando contamos até 10.
Quem tem paciência pode viver mais e melhor, afinal, é capaz de enfrentar problemas de forma mais consciente e clara e não se deixa abater por qualquer imprevisto. Também consegue ter maior tolerância nos relacionamentos afetivos e falar menos bobagem (pois pensa antes de dizer alguma coisa que possa ofender).
– A paciência é a ciência da paz. Autocontrole, autoconhecimento e equilíbrio emocional são processos que requerem um investimento pessoal – afirma a psiquiatra Carmen Baldisserotto.
Investimento pessoal que também exige paciência, pois a paz interior não vem de mão beijada. Tornar-se uma pessoa mais tranquila depende, sobretudo, de dedicar tempo para si mesmo, para pensar na vida, para ficar em silêncio, para meditar. Mas quem se importa com isso quando as horas do dia são insuficientes para realizar todas as tarefas?
Perder a paciência em algumas situações pode ser algo compreensível. O caso se torna crítico quando acontecimentos comuns do cotidiano são suficientes para a pessoa explodir. O estresse e a mudança de humor não surgem apenas com problemas graves, como uma separação, uma doença ou um vício.
A paciência é colocada em prova com coisas bem pequenas do dia a dia. Os ataques de nervos estão cada vez mais comuns e, dependendo da pessoa, chegam a um ponto que o impaciente perde até a vergonha de ser grosseiro. Xingar pedestres na rua, entrar em uma luta corporal com quem roubou a vaga no estacionamento, surtar ao ver uma fila, fazer um escândalo quando o garçom demora a atender o pedido e ter um chilique se os últimos palitos da caixa de fósforos quebraram durante as tentativas de acender o fogão são sintomas de que algo não vai bem.
Para a terapeuta floral Fátima Perurena, a impaciência é um reflexo dos tempos em que estamos vivendo. O ritmo acelerado da vida faz com que a nossa saúde mental fique em segundo plano.
– As pessoas não conseguem mais se ouvir. Elas chegam em casa e ligam o rádio e a TV ao mesmo tempo e não param quietas nunca. Estão sempre no piloto automático e, assim, fica difícil se autoconhecer – lamenta.
Não há uma fórmula pronta para aprender a ter paciência, mas algumas atitudes já são de praxe entre os mais nervosos. Contar até 10 (ou até mil, se necessário) é a mais conhecida e há quem garanta que funciona. No intervalo de tempo em que se está contando, a mente desvia o pensamento do problema e permite uma melhor percepção. Na hora do surto, vale respirar fundo e até levar a sério a brincadeira do "tá estressado, vá pescar". A respiração lenta e profunda freia a ansiedade, assim como fazer um passeio e dar uma caminhada ajudam a espairecer.
Água de melissa, suco de maracujá e chá de camomila também têm efeito calmante. Mas, mesmo tomando essas providências, fique atento: dependendo da intensidade e da frequência dos ataques de nervos, você pode desenvolver uma doença.
A própria impaciência pode ser o sintoma de uma doença ligada aos transtornos de humor, como depressão e bipolaridade. Para a psiquiatra Carmen Baldisserotto, a falta de paciência não está só vinculada à quantidade de problemas que se tem.
– Quem não consegue passar por nenhuma situação um pouco mais difícil sem perder o controle com facilidade pode ter um problema sério. A pessoa deve procurar ajuda quando a impaciência, a irritabilidade, a brabeza, a raiva e o mau humor se tornam rotineiros e ela não consegue controlá-los – diz Carmen, salientando que o tratamento dependerá de cada caso, embora consista, basicamente, em psicoterapia e medicação.
TESTE
1. Você está jogando Paciência em seu computador e não vê saída para o jogo. O que você faz?
a) Segue reiniciando o jogo até conseguir avançar cada vez mais.
b) Faz uma pausa deixando o jogo onde você parou e volta para finalizá-lo mais tarde.
c) Irrita-se com o computador e pára de jogar.
2. É hora da janta. Você já chamou o seu filho/irmão para comer duas vezes e ele não sai da frente do micro. Nessa hora, você:
a) Espera com o jantar à mesa até ele terminar o que está fazendo.
b) Aguarda um pouco, mas pede que seja rápido, pois a janta vai esfriar.
c) Come sozinho e deixa ele sem janta. Isso é para aprender a respeitar os horários.
3. Você sai de casa atrasado para uma reunião. No caminho, pega todas as sinaleiras fechadas. Como reage?
a) Fica angustiado, mas não faz nada. Sabe que não pode mudar essa situação.
b) Dá um jeito de ligar para a pessoa que irá encontrar para avisar que chegará atrasado.
c) Arranca na sinaleira fechada mesmo, sem pensar no risco que pode correr ou representar a alguém.
4. Seu chefe diz que seu projeto está uma porcaria. O que você faz?
a) Refaz o serviço e se sente um total incompetente.
b) Tenta discutir com o chefe e mostrar a ele que há pontos positivos no seu projeto.
c) Pede demissão na hora.
5. Você tem um compromisso com os seus amigos e seu companheiro(a) está completamente atrasado(a).
a) Prepara um drinque e aguarda, afinal ele(a) tem todo o direito de se arrumar sem pressa.
b) Relembra ele(a) do horário e tenta se distrair. Deixa para conversar sobre isso em um outro momento.
c) Vai sozinho(a) e diz pro parceiro(a) chamar um táxi depois.
6. Já se passou quase meia hora e a fila do banco não anda. O que você faz?
a) Espera e, se chegar alguém com muita pressa, ainda deixa a pessoa passar na sua frente.
b) Aguarda, mas lembra o gerente do banco que existe uma lei para não deixar os clientes esperando tanto tempo.
c) Demostra abertamente sua irritação e passa a ter inveja de idosos, gestantes e deficiente físicos.
RESULTADO

O zen
Se respondeu mais a letra A, você sabe o que é viver em paz. Mesmo assim, fique atento: muita paciência pode ser preocupante. Veja se não está deixando os outros tirarem vantagem de você ou se não está prejudicando pessoas próximas (como equipe de trabalho). A paciência exacerbada pode retratar conformismo e resignação em relação à vida.

O ponderado
Se respondeu mais a letra B, você demonstra equilíbrio e controle emocional, o que o ajuda a tomar decisões com clareza e a não se exaltar por qualquer coisa. Continue assim, pois você sabe muito bem a hora em que deve aceitar uma situação (porque não tem como mudá-la) e o momento certo de reagir de forma positiva. Parabéns!

O pavio curto
Se respondeu mais a letra C, saiba que o mundo não gira ao seu redor e que nem tudo é como você quer. A falta excessiva de paciência pode refletir em egocentrismo. Reflita sobre as coisas que te tiram do sério e reveja suas atitudes. Aprenda a esperar. Tudo tem seu tempo. Será que você não está fazendo uma tempestade num copo d'água sem motivo?
* No caso de empate, leve em conta os dois resultados finais e veja em qual mais se encaixa.
Fonte: teste criado pelas terapeutas Suzete Benites e Anna Seixas.
Para quem tem paciência de ler
:: O Poder da Paciência _ Como Diminuir a Pressa e Ter Mais Felicidade, de M. J. Ryan (Editora GMT).
:: Paciência, Ter ou não Ter?, de Milton Paulo de Lacerda (Editora Vozes).
:: A Virtude da Paciência, de Milton Paulo de Lacerda (Editora Vozes).
:: A Arte de Lidar com a Raiva: o Poder da Paciência, de Dalai Lama (Editora Campus).
:: Paciência, de Francisco Candido Xavier e Emmanuel (Editora Céu).

ZERO HORA

2 comentários:

Isa mar disse...

Ufa rsss, só respondi um C, o resto tudo B, confesso que to mais aliviada agora, afinal to conseguindo ser ponderada,mas a caminhada foi longa, há uns anos atrás eu estaria na ala do pavio curto, aliás eu nem tinha pavio KKKKKK
Beijos amigo e obrigada pelo teste e o texto!

Marilu disse...

Querido amigo, sou paciente...que bom...acho que temos que exercitar realmente a paciência até as últimas consequencias...Beijocas

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.