sábado, 21 de agosto de 2010

DESPREZO PREMEDITADO



Paulo Roberto Barbosa
Um cego na internet
    "O que despreza ao seu vizinho peca, mas feliz é aquele que se compadece dos pobres" (Provérbios 14.21).
    Mina e Celma descendiam de famílias que imigraram para o Brasil. Foram amigas nos dias da infância, mas se tornaram adultas, casaram-se e nunca mais se encontraram.
    Depois de transcorridos muitos anos, certa tarde, Mina foi visitar uma amiga. Como houvesse se demorado mais do que o previsto, fez parar um táxi e tomou caminho de volta. Notou que ao volante estava uma mulher e pôs-se a conversar com ela.
    Ambas notaram algo de familiar entre as duas e finalmente reconheceram-se. Celma, simples, porém autêntica; e Mina, sofisticada, presunçosa e toda superficial. Notando que Celma era a mesma pessoa ingênua, articulou um plano para vê-la humilhada ao seu lado. Convidou-a para um chá íntimo e ela credulamente aceitou. No horário estabelecido, Celma compareceu nos seus trajes de serviço.
    Mina preveniu as amigas da sua roda sobre o jeito de ser da convidada, mas se fingiu cordial ao recebê-la. Vieram os cumprimentos estudados, um pouco de conversa e em seguida foi servido um cálice de licor acompanhado de canapés; mas tudo com grande requinte. Sem se preocupar com o aparato, Celma serviu-se à vontade. Falou alto, gesticulou o quanto julgou necessário. Daí... olhares zombeteiros, risinhos irônicos e piscadinhas maliciosas... Celma, o alvo das atenções.
    Mas esta cena não se prolongou por longo tempo. O telefone tocou. Avisava que o neto de Mina fora acidentado. Esta, transtornada, retorna à sala e comunica o fato. Foi então que ela viu sair cada amiga sem se preocupar com o seu desespero. Mas Celma permaneceu. Solícita e experiente, entrou logo em ação, conduzindo Mina à Clínica onde o neto se encontrava, e para satisfazer as exigências preliminares do hospital, ela teve de emprestar dinheiro também. Estava sendo exigida a presença dos pais da criança e foi a essa altura que Mina precisou dizer que a filha era desquitada e o garotinho sofria muito com a ausência do pai.
    Celma, seguindo a direção indicada pela anniga, saiu à procura da mãe e depois do pai da criança, mas só depois de uma hora de busca os dois foram encontrados. O pai, bebendo num bar e a mãe jogando numa casa de jogos clandestinos. De volta à Clínica, novo problema: sangue para o menino. Mina se comunica com sua roda de amigas, mas nenhuma foi encontrada com disposição para doar.
    Celma ligou para as suas vizinhas e não tardou surgir um grupo da amizade dela e a criança recebeu o sangue necessário.
    Alta madrugada, Mina e Celma se separaram, porém o quadro era outro. A primeira sem a máscara da hipocrisia, humilhada e envergonhada, sentia-se pequena ao ladoda verdadeira amiga. Esta, cansada mas feliz, estava em paz consigo mesma, por haver cumprido o dever de amiga.
    Texto enviado por Isa Mar ( 
    http://valedosolencantado.blogspot.com/)

5 comentários:

ValériaC disse...

Ótimo texto amigo...é muito triste e decepcionante vermos tanto disso ainda por aí... pessoas cheias de preconceitos, achando-se superiores às outras...no fundo acabam sendo elas muitas vezes as infelizes da história da vida...
É preciso ver que mesmo diante de toda e qualquer diferença social, econômica, religiosa, cultural ...etc, vermos que somos todos apenas aparentemente diferentes e ao mesmo tempo tão iguais...com sentimentos, dores(especialmente neste quesito...como somos tão parecidos), alegrias... somos humanos, e além de tudo, somos espíritos em permanente construção...ninguém é mais que ninguém, especialmente aos olhos do Criador...está mais do na hora de seguir seu exemplo de amor e respeito entre todos!
Bom final de semana amigo!
Beijos...
Valéria

Cigana do Oriente disse...

Dinei meu querido, ficou ótimo o texto, legal ter postado.
E vamos continuando o nosso trabalho de formiguinhas,levando um pouco de reflexão as pessoas e compartilhando o que vamos aprendendo né?
Ótimo domingo pra você e sua família, beijos

Marcia da Luz de Maria disse...

É necessário histórias como esta, para despertar a consciência crística através da Verdade, nos corações e mentes adormecidos.
Sinto-me honrada e grata por sua presença no meu blog.
Vitória sempre na Luz de Deus que nunca falha

Marcia da Luz de Maria disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
DINEI FAVERSANI disse...

Amigas Valéria, Isa e Márcia da Luz de Maria, sou grato por suas visitas, amizades e considerações. O texto revela revela comportamentos que constatamos em nosso dia-a-dia, e é triste quando um ser humano despreza outro semelhante, o que demonstra um grande atraso de crescimento espiritual. Espero que tais comportamentos de desprezo estejam com seus dias contados, em benefício de uma fraternidade mais sadia. Beijos em seus corações. A LUZ DE DEUS NUNCA FALHA!

SEJAM BEM VINDOS!

"A todos que passarem por essa página, desejo que Deus os abençoem e que traga a todos um raio de esperança e fé.